Denn Pires

Os Pleiadianos na visão espirita.

Por Denn Pires há 1 segundo

Os Pleiadianos na visão espirita.

Os Pleiadianos são um elemento que ganhou popularidade com o movimento da nova era. Desde então tem aparecido com cada vez mais frequência na literatura, nos documentários e na televisão. Também faz parte do arcabouço terminológico dos ufólogos. Refere-se a um suposto conjunto de extraterrestres originados do grupo de estrelas das Plêiades. Contrariando a má fama que os ETs costumam ter, diz-se que os Pleiadianos são seres altamente evoluídos, muito mais que os da espécie humana, e seus ancestrais fizeram parte de um universo que atingiu sua conclusão. Também são vistos como um grupo de seres iluminados que se dispuseram a ajudar os terráqueos a alcançar um novo estágio evolutivo na caminha da vida.

Como as demais supostas "raças extraterrestres", são tidos por alguns grupos cristãos como espíritos angélicos, os chamados "anjos decaídos", compondo grupos ou potestades distintas, onde os iguais agrupam-se nos mesmos grupos; no caso aqui, o grupo dos "alienígenas Pleadianos". Na realidade, segundo esses grupos cristãos, são espíritos reais que, travestidos da natureza mitológica dos Pleiadianos, estão comprometidos com a disseminação da doutrinação esotérica ligada à Nova Era, com elementos doutrinários semelhantes ao que Jesus pregava. Estes seres tem missão de desbloquear nossas habilidades sensitivas como também difundem a importância do chacra do coração.

Os pleiadianos são uma civilização amorosa, pacífica e altamente espiritualizada, que cultua a harmonia, a beleza e todas as formas de arte.

As Plêiades é um aglomerado de estrelas da constelação de Touro, com mais de mil estrelas, das quais sete são visíveis a olho nu e dentre estas se destaca Alcyone o sol central das Plêiades, estrela de 3ª grandeza, localizada a 425 anos-luz da Terra e em torno da qual giram as outras estrelas, cada qual com seu sistema de planetas. Alcyone tem a luminosidade equivalente a 1.400 vezes a do nosso sol, uma estrela de 5ª grandeza.

Os pleiadianos vivem em plena unicidade uns com os outros e são muito ligados a cura, a medicina natural, às forças da natureza e ao xamanismo nativo (foram eles que ensinaram aos chineses a técnica da acupuntura em torno de 4.500 A.C.).

Gregários por natureza, gostam de estar juntos. Sua forma de expressão nunca é individual, mas grupal, pois a muito superaram a questão do ego e até mesmo seus instrumentos musicais são projetados para serem operados por várias pessoas simultaneamente.

Amáveis, delicados, muito bem humorados e extremamente criativos, eles vivem praticamente em estado de graça em seu lar planetário - afinal, estão livres dos conflitos criados pelas diferenças de opinião e de vontade, próprias da manifestação do ego.

Extasiam-se com a beleza da vida, expressam esses sentimentos por meio da arte e criam mais beleza e harmonia, vivendo assim em constante alegria e contemplação.

São muito voltados a educação e adoram se comunicar, se expressar e ensinar.

Em sua sociedade não existem leis para regular a vida em comunidade, as leis que os regem é constituída única e exclusivamente pela suas próprias consciências individuais altamente evoluídas.

Por isso lá não existe policia, prisões, sistema judiciário, político ou religioso e o planeta é administrado apenas por um conselho de sábios, composto por 12 anciões.

Eles não tem religiões, mas estão permanentemente conectados a Fonte, ao Criador Primordial, cuja vontade estão sempre buscando decifrar e seguir harmoniosamente.

Eles são muito ligados aos cristais e suas cidades são construídas de cristal com suas casas na forma de grandes pontas de cristais sextavadas (como pirâmides de seis lados), que vistas do alto se parecem com favos de uma colméia de abelhas e vistas ao nível do solo se parecem com uma drusa de cristal ou ainda com uma aldeia indígena americana, onde as casas, pelo seu formato, se parecem com grandes tabas indígenas.

Cada ser das Plêiades, seja homem ou mulher, possui em seu interior as polaridades masculinas e femininas em perfeito equilíbrio.

Eles não vivem sós, vivem sempre como casais, cada qual com seu companheiro ou companheira e nunca contatam os humanos individualmente, mas sempre em grupos, identificando-se sempre como uma coletividade (os pleiadianos), jamais ostentando cargos, funções ou posições hierárquicas e só revelando seus nomes pessoais em algumas situações excepcionais.

Quando nos encontramos com eles fora das naves mães, ou seja, nas pequenas naves de serviço, estão normalmente em três, todos vestidos de macacão azul índigo, mas quando nosso encontro com eles ocorre fora das naves estão sempre em dois (ou mais), ambos vestidos de uma túnica branca tipo romana ou grega, sendo que o terceiro sempre fica na nave, que é constituída de pura energia e uma extensão da energia de seu próprio corpo de luz, sendo que ele não a pilota usando instrumentos, mas apenas as energias de suas mãos sobre um painel existente numa espécie de console.

Suas naves não são tecnológicas, são energéticas e por fora parecem pequenas, mas quando entramos nelas percebemos que são enormes e a medida que andamos pelo seu interior elas vão se expandindo e a nossa frente vão se formando sempre novas salas, corredores e portas antes inexistentes.

Há muitas almas originárias das Plêiades encarnadas na Terra - elas constituem a segunda raça extraterrestre mais presente por aqui.

Na verdade eles não são propriamente extraterrestres, mas sim "ultraterrestres", ou seres interdimensionais, pois tem a faculdade de viajar no tempo, no espaço e entre as diferentes dimensões.

Vêm buscar, na terceira dimensão, a experiência do concreto, algo que o adiantado estado de sua civilização não pode lhes proporcionar, pois na dimensão em que vivem são pura luz, pura energia.

O que o pleiadiano tem de facilidade para criar e implantar suas idéias, tem de dificuldade para administrar uma longa rotina de execução do projeto no dia a dia e levar as coisas até o fim.

Aqui, na densidade da Terra, é que ele aprende a necessidade de plantar e cuidar para colher; que percebe a relação de causa e conseqüência dos mundos materiais.

Em sua estrela de origem, extremamente sutil, é muito difícil ter essa percepção.

Assim, a matéria densa da 3ª dimensão com seus limites torna-se a matéria prima essencial para que possam moldar e materializar suas idéias e desta forma experenciar e desenvolver integralmente toda a sua capacidade criativa.

Até para encarnar na Terra, os pleiadianos nunca vêm sozinhos, mas em grupo, e acabam sendo atraídos para o ofício das artes, como a música, a poesia, pintura, escultura, artesanato, etc. e para os trabalhos comunitários ou outros do gênero em que possam empregar seus talentos criativos e terapêuticos.

Eles são seres simples, descomplicados, despojados e buscam sempre na simplicidade e criatividade encontrar a essência e as respostas para todas as coisas.

São gentis, fazem amigos com facilidade e adoram estar com crianças, sendo os responsáveis pelo projeto de preparação e envio de crianças índigos, cristais, diamantes, etc. ao planeta, a maioria delas espíritos de origem pleiadiana.

Muitos tornam-se bons terapeutas holísticos, psicólogos, professores e administradores de recursos humanos, pois, movidos pelo seu sentimento de fraternidade e solidariedade, gostam de contribuir e de ver os outros crescerem.

É pela harmonia dos sons, das emoções e do amor incondicional que os pleiadianos podem conectar-se conosco por meio dos chacras do plexo solar e principalmente do cardíaco.

São seres solares que vivem na terceira estrela das Plêiades, chamada por eles de Aracelis (que em latim quer dizer "Altar dos Céus"), numa civilização de 8ª dimensão, que vibra na freqüência do numero 8 e tem este numero e a laminiscata como seus símbolos.

Estão aqui neste momento do nosso espaço-tempo, a convite da Confederação Intergaláctica e representando companheiros que brevemente também deverão estar a serviço em nosso planeta (as crianças arco-íris).

É muito interessante para todos eles a possibilidade de servir nesse imenso laboratório que é o nosso planeta Terra.

Todas as civilizações confederadas, de uma forma ou de outra, ostensiva ou não ostensiva, se encontram aqui em diversas missões de ajuda diferentes, cada qual dentro da sua especialidade.

Suas diferenças ambientais e físicas são tão grandes como as diferenças entre os diversos reinos de nosso planeta, como se eu fosse do reino animal, você do reino mineral, e ele do reino vegetal...

As leis naturais básicas existentes para cada um, necessárias para sua sobrevivência e existência, são muito diversas.

Por isso, precisam de padronizações medianas e adaptações a certas formas e estruturas que a Confederação lhes impõe para que possam se manifestar de forma coerente entre todos nós.

No caso dos pleiadianos eles se apresentam normalmente aos humanos como seres altos, rosto belo de traços bem delineados, cabelos compridos e escorridos loiros/prateados, testa alta e arredondada (como uma espécie de pequena calvície) e olhos azuis brilhantes, como se fossem duas luzes intensas, mas na sua forma original eles tem no lugar dos cabelos penas, ou seja penugens de pássaros na cor dourada e o crânio é levemente alongado para trás e para cima.

Assim os Pleiadianos estão nos trazendo muitas informações a respeito de sua civilização, os pleiadianos realmente se interessam e se comovem com o mundo da sensibilidade e das emoções humanas.

São pacifistas e não possuem qualquer indício de uma força armada porque não necessitam do uso da força para se imporem.

A sua beleza, graça, suavidade e inteligência fazem com que seja muito fácil para eles terem contato com as civilizações e/ou seres mais sensitivos e avançados espiritualmente.

Eles são seres muito íntegros, que tem um desenvolvido senso de liberdade e um profundo respeito pela liberdade, auto-expressão e livre arbítrio dos outros seres.

Seus ancestrais são seres pássaros, de onde surgiu a figura clássica dos anjos com asas, usadas por nossas religiões; eles são seres solares, mestres geneticistas ou Elohim, que participaram diretamente da criação da humanidade e de todas as formas de vida na Terra.

A muito tempo atrás estes ancestrais migraram de um universo paralelo, que estava em fase de conclusão de seu processo de evolução, para Alcyone, onde ainda vivem diretamente integrados às Hierarquias Celestes, na 18ª dimensão, como membros do Conselho da Galáxia.

A Humanidade possui material genético pleiadiano, por isso eles são considerados nossos irmãos mais velhos.

Os pleiadianos nada tem a ver com os nibiruanos (que são apenas seres da 4ª dimensão), embora estes últimos se digam pleiadianos.

Os grupamentos de pleiadianos encarnados mais conhecidos da recente história da humanidade são os Essênios, os Maias, os Cátaros (que viveram no sul da França) e atualmente os Índigos que começaram a chegar no pós-guerra para quebrar o sistema vigente e na década de 60 foram os responsáveis pelo Movimento Hippie, onde se procurava valorizar mais a liberdade, a natureza, a paz e o amor.

Na condição de pleiadianos que se destacaram individualmente em sua passagem pelo planeta temos São Francisco de Assis (contemporâneo dos cátaros e fiel seguidor da filosofia deles), Sri Aurobindo, Krishnamurti, Madre Thereza de Calcutá, a atriz Shirley Maclaine e muitos outros.

Eu acredito nesse texto!

Amem!!

Denn Pires

Os extraterrestres na transição planetária na visão espirita.

Por Denn Pires há 1 segundo

Os extraterrestres na transição planetária na visão espirita.

Os ufólogos tradicionais creem apenas em extraterrestres tridimensionais, como nós mesmos. Já os espíritas creem apenas em extraterrestres sem corpo físico, como Espíritos desencarnados. No entanto há um grupo de pessoas que transitam nos dois campos do conhecimento, trazendo novas informações sobre os múltiplos universos e o papel dos extraterrestres na transição planetária.

Em 1856, Allan Kardec (Livro dos Espíritas) fez 22 perguntas à Egrégora “O Espírito da Verdade” sobre a vida fora da Terra. As respostas são instigantes e nos levam, naturalmente, à compreensão de que não estamos sós neste imenso universo.

As próprias palavras de Jesus nos levam a acreditar em “possibilidades” de vida além do planeta Terra: Não se perturbe o teu coração. – Crê em Deus, crê também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, já eu te teria dito, pois vou para preparar-te o lugar. – Depois que tenha ido e que te houver preparado o lugar, voltarei e te retirarei para mim, a fim de que onde eu estiver, também tu aí estejas. (S. JOÃO, cap. XIV, vv. 1 a 3).

Conversei sobre a Transição Planetária, Jesus, abdução e extraterrestre com Mônica de Medeiros, médica e sensitiva, cirurgiã formada pela Unicamp, mestrado na University of Illinois at Chicago. Fundadora e presidente da Casa do Consolador, centro universalista de fundamento cristão e base kardecista

Adriana Santos: Você tem experiência em três áreas do conhecimento que, no primeiro momento, parecem ser antagônicas. Qual a relação possível entre espiritualidade, medicina e ufologia?

Mônica Medeiros: O espiritismo, em seu livro codificador – LIVRO DOS ESPÍRITOS (1857), trata da vida extraplanetária em 22 questões: da 55 à 58 , aborda a pluralidade de mundos habitados e de 172 à 188, fala sobre as encarnações em diferentes mundos. Então, pode-se dizer que o estudo que reúne ufologia e espiritismo começou com sua obra magna. A medicina é uma ciência de amplos horizontes porque curar significa, sobretudo, compreender quem sofre e depende, profundamente, do conhecimento para que tal se dê. Assim, existe um área de intersecção entre os três campos: a necessidade de pesquisa e de mente aberta, sobretudo na busca de respostas que reduzam o sofrimento.

Adriana Santos: O que é transição planetária?

Mônica Medeiros: É o período que estamos passando, quando o planeta sairá de uma condição rude, conhecida no espiritismo por “expiação e prova” para uma outra, mais leve, ainda que densa, chamada de “ regeneração. “ Ou seja, a característica do mundo atual é o predomínio da força sobre o direito, da matéria sobre o espírito, da dor sobre o amor, do egoísmo sobre a fraternidade. Um mundo onde a injustiça social rege o sistema de vida; onde o ser humano se sente no direito de matar irmãos hominais , animais, vegetais e minerais; onde doenças ceifam esperanças, vidas ; onde o mal parece prevalecer, tendo o domínio de forças financeiras mundiais. O planeta é um ser vivo e, como tal, também tem evolução. Após tantos milhões de anos como expiação e provas, adquiriu quantum energético suficiente para dar seu salto quântico e isso mudará radicalmente a qualidade dos seres que nele viverão. É o tempo de mudanças radicais e estamos vivendo essa experiência difícil mas, absolutamente necessária porque não aguentamos mais o status quo.

Adriana Santos: Qual o papel dos extraterrestre na transição planetária?

Mônica Medeiros: Existem duas possibilidades quanto aos extraterrestres: os elevados moral e tecnologicamente e os elevados apenas tecnológica. Os primeiros são membros da Confederação Cósmica ou Galáctica e nos observam muito atentamente, desde o advento da bomba atômica porque não estamos sós, neste braço de Órion (da via láctea), onde nos encontramos e muito menos no sistema solar, onde Vênus e Marte, principalmente mas não apenas, podem sofrer consequências de nossos desmandos destrutivos. Contudo, visitam a Terra a milhões de anos, como bem comprovam provas arqueológicas como fósseis com pegadas de botas do período pré-cambriano, quando não haviam hominais por aqui, desenhos rupestres desde 17000 anos atrás. Atualmente, estão presentes e, a cada dia, mostrando-se mais presentes entre nós, principalmente em centros espíritas, onde se manifestam ostensivamente. A missão deles é nos acompanhar neste período difícil de transição, pelo qual eles mesmos já passaram, sem interferir mas nos apoiando em encontrar soluções para nossos problemas.

Adriana Santos: Quem é Jesus nos múltiplos universos?

Mônica Medeiros: Jesus, também chamado de Sananda, por extraterrestres, é o Espírito de Maior hierarquia desta galáxia, sendo descrito como logus planetário. É a referência para todos os seres que buscam a felicidade porque está só pode ser obtida através da prática da lei da fraternidade que Ele mesmo nos trouxe.

Adriana Santos: Jesus é um extraterrestre de qual dimensão?

Mônica Medeiros: Olha,extraterrestres somos todos nós porque, após 4,5 bilhões de anos de existência, o planeta Terra já não deve estar contando com seres de evolução inicial por aqui. Ou seja, somos todos nós, hominais, filhos do universo.ev. É difícil dizer de qual dimensão é Jesus porque não creio que Ele seja desde universo tão jovem mas para este universo, Ele deve estar no ápice evolutivo.

Adriana Santos: A vinda de Jesus está próxima. Ele vem sozinho?

Mônica Medeiros: Jesus voltar? Mas Ele nunca se foi. Figura física acho pouco provável.

Adriana Santos: Os extraterrestre se comunicam de que forma? Qual a mais utilizada?

Mônica Medeiros: Telepatia .

Adriana Santos: Só os médiuns captam as mensagens dos extraterrestre?

Mônica Medeiros: Médiuns somos todos, a partir dos animais superiores. Então, todos podem ser contatados. O Projeto Nova Terra, Nova Raça Humana que está sendo desenvolvido pela confederação galáctica, sob coordenação de Jesus, neste momento, é DNA-Dependente. Ou seja, abduzidos e contatados são seres de DNA escolhido e assim o é em virtude de serem reencarnantes que aceitaram participar desse projeto. Não existem eleitos nisto. Apenas o compromisso com o aprimoramento da atual raça humana. Mas, em tempo futuro e não muito distante de hoje, o contato será às claras e irrestrito.

Adriana Santos: O Espiritismo é a religião oficial dos extraterrestre?

Mônica Medeiros: Extraterrestres não têm religião, em sua maioria. Creem em Deus, a quem chamam de Fonte Criadora e se relacionam de um modo mais maduro que nós. O espiritismo , ao ver deles, é o campo mais propício, hoje, ao contato em maior escala, já que na própria codificação fala-se sobre a vida extraplanetária.

Adriana Santos: O que é abdução?

Mônica Medeiros: É o fenômeno pelo qual um ser terrícola é levado a uma nave sem, aparentemente, permissão explícita do mesmo. Mas isso não é real, uma vez que os abduzidos são voluntários nesse processo. Perceba, as abduções podem ocorrer em diferentes encarnações e são, de modo geral, múltiplas numa mesma família, atestando a DNA- dependência do fenômeno.

Adriana Santos: A abdução não fere o livre arbítrio?

Mônica Medeiros: Pelo exposto acima, de modo algum.

Adriana Santos: Você já foi abduzida?

Mônica Medeiros: Fui abduzida dos 5 aos 16 anos. Hoje, sou contatada.

Adriana Santos: Os extraterrestre estão em missão de paz?

Mônica Medeiros: Os confederados, sim. Os pesquisadores não relacionados com o projeto Nova Terra, não tem qualquer interesse em nos prejudicar. Os draconianos, seres reptilianos que chegaram à Terra pouco depois do dilúvio bíblico, aportando na África, mancomunaram-se com os magos negros da Terra e compõe o que é conhecido como governo oculto, cuja manifestação tridimensional são os iluminatti e os 12 magníficos. Estes últimos nada de bom fazem e são altamente destrutivos para o planeta e para todas as espécies que aqui vivem.

Eu acredito nesse texto! Que todos ficam com a paz de nosso Deus pai!

Amem

Denn Pires

Kardec e os Extraterrestres

Por Denn Pires há 1 segundo

Kardec e os Extraterrestres

Apesar de pouco conhecida, a ligação do espiritismo com a idéia de possíveis seres extraterrestres é antiga. Allan Kardec, codificador da doutrina, já em 1868 se referia à existência de vida inteligente em outros mundos. Depois dele, muitos autores espíritas voltaram a falar do assunto. Mas, curiosamente, nada se fala a respeito das naves extraplanetárias usadas pelos alienígenas em suas viagens: os enigmáticos discos voadores.

“Deserto inimaginável estende-se além das estrelas. Lá, em condições diferentes das do vosso planeta, novos mundos revelam-se e desdobram-se em formas de vida, que as vossas concepções não podem imaginar, nem vossos estudos comprovar”

“Aquele que vem de vosso sistema depara-se com a ação de outras leis regendo as manifestações de vida. Os novos caminhos que se apresentam em tão singulares regiões abrem-nos surpreendentes perspectivas.”

“Se nos transportarmos além de nossa nebulosa, vemos que nos cercam milhões de sóis e um número ainda maior de planetas habitados.”

Esses períodos foram extraídos do capítulo 6 da A Gênese, obra codificada pelo francês Allan Kardec, fundador do espiritismo. Estas e outras passagens de sua obra evidenciam uma aceitação da existência de vários planetas e da possibilidade de serem habitados. No parágrafo 54 do capítulo A Vida Universal, ele escreve: “Que as obras de Deus sejam criadas para o pensamento e a inteligência; que os mundos sejam moradas se seres..., são questões que já não nos causam dúvidas”. Mas adiante, no parágrafo 56, lemos: “Se os astros que se harmonizam e seus vastos sistemas são habitados por inteligências, estas não se desconhecem. Pelo contrário, trazem marcado na fronte o mesmo destino e hão de se encontrar, temporariamente, segundo suas funções de vida, e isto poderá ocorrer de novo, segundo suas simpatias mútuas”.

Os espíritas aceitam a existência de vidas e inteligências extraterrenas. Não crêem que os inúmeros planetas existentes sejam matéria inerte e sem vida. Mas, isso não significa que pensem ser a vida nestes mundos igual à terrena. Já em 1868 A Gênese alertava o homem para que não visse, em torno de cada sol, sistemas planetários iguais ao seu e, também, para o fatos de lá não existirem somente três reinos... “Assim como o rosto de nenhum homem é igual ao de outro”, dizia Kardec, “da mesma forma são diversas as civilizações espalhadas pelo espaço. Elas divergem segundo as condições que lhes foram prescritas e de acordo com o papel que cabe a cada uma no cenário universal”.

Estas observações, feitas há mais de um século, estão de acordo com L. B. Taylor e seu livro For All Mankind, no capítulo Interplanetary Ambassadors, onde diz: "Não existem dois planetas iguais, e há grandes diferenças entre seus satélites. Cada um está num estágio, tem uma história e terá um futuro diferente. Considerando como um todo, o sistema solar é comparável a um laboratório rico em quantidade e variedade de espécies". E o humano é uma delas!

Ainda em A Gênese, ao falar dos seres humanos e dos extraterrestres, Kardec diz que no intervalo de suas existências corporais “os desencarnados formam a população espiritual da Terra”. Segundo ele, a morte e o nascimento fazem com que as duas populações – os encarnados (vivos) e os desencarnados (espíritos) – se completem constantemente. Contudo, quando a Terra ou outro mundo necessitam de renovação ocorrem épocas de grandes calamidades que provocam imigrações e emigrações. Ele observa, ainda, que esta troca populacional pode não se realizar num só planeta – como entre a Terra e o plano espiritual que lhe é próprio – mas entre este e um outro qualquer.

Adão e Eva: extraterrestres?

Uma destas imigrações de seres extraterrestres à Terra poderia ser a origem da raça adâmica, simbolizada na Bíblia por Adão e Eva. Não é inviável pensar-se que quando estes seres aqui chegaram, há alguns milhares de anos, encontraram o planeta povoado por seres humanos primitivos, o que estaria de acordo com fatos geológicos e observações antropológicas.

Uma dedução deste tipo é bastante lógica se, baseados nos livros sacros, notaremos que já na segunda geração os descendentes de Adão cultivaram o solo, trabalharam os metais, construíam cidades e dedicavam-se à arte. Isso pode ser dado um grande impulso à civilizações terrena, uma vez que os habitantes de até então, muito provavelmente, não conheciam a maioria desses ofícios.

Se aceitarmos esta hipótese, podemos presumir que estes extraterrestres tivessem condições físicas que permitiram suas adaptações ao nosso planeta e o desenvolvimento, aqui, de sua civilização. Pode-se, portanto considerar viável a possibilidade de habitantes de outros mundos terem semelhanças físicas, espirituais e mentais com o homem. Talvez mesmo, e não é a primeira vez que se fala nisto, sejamos seus descendentes.

Recentemente cientistas exploraram alguns planetas por meio de aparelhos sofisticados e não encontraram nenhum sinal de vida igual ou diferente da nossa. Kardec , entretanto, parece ter previsto esta possibilidade, pois fez uma interessante observação, bastante aplicável nos dias de hoje: “Se jamais houvéssemos visto um peixe, não poderíamos conceber um ser vivendo na água; não teríamos a menor idéia de sua estrutura... Por que então não admitir que outras formas de vida podem viver em outros planetas, num meio diverso do nosso? Pudemos observar, até agora que na Lua não vivem seres como nós, mas como não temos conhecimento de suas estrutura, não podemos dizer com certeza se nela existem ou não outros tipo de vida. Se não temos prova material e de visu da presença de vida a inexistência de organismos apropriados a estes e outros meios”.

Mais adiante, no final do artigo, ele diz: “Por meio de simples raciocínio pudemos chegar como muitos antes de nós, a uma conclusão favorável à pluraridade dos mundos. Tal raciocínio é confirmado pela revelações dos espíritos, que nos dizem que os mundos são habitados por seres que podem ser mais ou menos evoluídos que nós... E, ainda mais, hoje sabemos ser possivel entrar em contato com eles e obter esclarecimento sobre seu estado. Assim, tudo é povoado no universo. Planetas sólidos, o ar, as entranhas da Terra, e até as profundezas etéreas”. (Revista Espirita, Março de 1868, página 65, 66, 67)

Os espíritos falam sobre os extraterrestres

Por várias vezes, artigos publicados na Revista Espírita descreveram extraterrestres e falaram sobre seus costumes, moradias, alimentação e meios de transporte e comunicação. Sobre os seres de Júpiter, por exemplo, podemos ler que “a conformação física é quase igual á nossa, mas menos densa e com um peso específico menor”. A densidade de seus corpos é tão pequena que pode ser comparada aos nossos fluidos imponderáveis, tendo o aspecto vaporoso, imaterial e luminoso, principalmente nos contornos do rosto e da cabeça. Este brilho magnético é semelhante àquele que os artistas simbolizaram na auréola dos santos. Como a matéria desses corpos é mais depurada, com a morte ela se dissipa sem passar pelo estado de decomposição pútrida. O “homem” de Júpiter é grande, maior que o terráqueo; seu desenvolvimento é rápido; e sua infância dura apenas alguns meses. A duração de sua vida eqüivale a cinco de nossos séculos.

Quando à locomoção, é fácil e obtida pelo esforço de vontade, pois, como a densidade do corpo jupiteriano é pouco maior do que a atmosférica, ele se liberta facilmente da atração planetária. Enquanto aqui andamos, eles deslizam pela superfície com a facilidade de um pássaro no ar.

Victorien Sardou, jovem literato contemporâneo de Allan Kardec, desenhou diversas cenas jupiterianas. Desenhista sem habilidade, foi, segundo diz, influenciado por um habitante de Júpiter que, séculos antes, havia morado na Terra, onde fora oleiro r chamara-se Bernard Palissy. Através de médium Sardou, Palissy não apenas fez um grande número de pinturas onde retratava habitações, personalidades e cenas do dia-a-dia, como menos também falou e explicou que, desde que um ser possua um corpo físico, por menos que um denso que seja, necessita não somente de alimentação e vestuário mas, ainda, de moradia e organização social.

As descrições que Palissy fez de Júpiter são curiosas. Disse que a atmosfera desse planeta é diferente da terrestre. A água do planeta é mais etérea, parece-se mais ao vapor, e a matéria, como a conhecemos, quase não existe. Algumas plantas assemelham-se às nossas, e existem flores com uma textura tão delicada que as torna quase transparentes.

Ao falar sobre as habitações, Palissy disse que o material com o qual são construídas as casas do planeta funde-se sob a pressão dos dedos humanos, como se fosse neve, e que este é um dos materiais mais resistentes do lugar. As vidraças são feitas por uma espécie de vidro líquido e colorido que endurece ao tomar contato com o ar. Palissy disse que “a imobilidade das moradias era um entrave, e por isso descobriu-se uma maneira de fazê-las leves e transportáveis a qualquer lugar do planeta".

Segundo ele, durante certas épocas do ano, o céu fica obscurecido por uma nuvem de “casas” que vêm do todos os pontos. "É um passar ininterrupto de moradias de várias formas, cores e tamanhos. Somente quando finda a temperada, o céu fica livre destes curiosas pássaros.

Os jupiterianos comunicam-se, normalmente, por telepatia, mas também se utiliza da linguagem articulada. A Segunda visão (clarividência), têm permanentemente. O estado rotineiro deles pode ser comparado ao de um “sonâmbulo lúcido”, e é por isso que podem comunicar-se conosco com uma facilidade maior que habitantes de mundos mais grossos e materiais".

Quando se perguntou a Kardec sobre as condições de luz e calor nos mundos extraterrenos, ele respondeu que a existência nesses lugares deve ser apropriada ao meio em que se vive. “Que impossibilidade haveria para a eletricidade ser mais abundante do que na Terra e desempenhar papéis cujos efeitos não compreendemos? Esses mundos podem conter em si mesmos as fontes de luz e calor de que necessitam”, disse ele.

 Literatura espírita não menciona naves espaciais

Entretanto, não foi só Kardec que se manifestou a respeito do tema. Antes dele, Margeret, uma das irmãs Fox que deram origem ao espiritismo na América, havia mencionado o assunto. Posteriormente, numerosas mensagens surgiram em diversas partes do globo. No Brasil, o médium Chico Xavier psicografou mensagens enviadas pelo espírito do jornalista brasileiro Humberto de Campos e por Maria João de Deus. Ercílio Maes recebeu, do espírito Ramatis, A Vida no Planeta Marte. Nesta obra, Ramatis explica que o marciano não apresenta as mesmas características substanciais do terráqueo, pois, apesar de Ter a mesma forma, vibra num plano mais energético que material. Seu mundo situa-se num campo vibratório adequado a seu corpo físico, ou seja, é menos material que o nosso.

José Neufel diz que, “de acordo com a ciência, planos vibratórios podem sobrepor-se ou interpenetrar-se. Nosso aparelhamento sensorial é apto à percepção de fenômenos materiais situados entre as fronteiras do plano vibratório em que vivemos. Normalmente, não podemos transpô-las e penetrar em outro planos vibratórios e outros graus energéticos. Logo, o fato de não percebemos certas vibrações não significa que inexistam, mas apenas que estão aquém ou além dos limites de nosso mundo sensorial. Se formos a Marte ou a qualquer outro planeta, é provável que os consideremos inteiramente desértico ou sem vida. Não é impossível, todavia, que eles existam, num outro plano vibratório, mundos organizados e muito mais adiantados que o nosso, imperceptíveis aos nossos sentidos”.

Na literatura espírita, não encontramos qualquer menção às naves espaciais avistadas por pessoas d todos os lugares do mundo. Chico Xavier, no livro Nosso Lar, fala do “aerobus” mas, como a obra trata do mundo espiritual do nosso planeta, não a comentaremos num texto sobre ufologia. Também as vozes paranormais gravadas em fitas aludem a maios de transporte mas, segundo pesquisadores, elas não originárias de planos espirituais próximos à Terra, e por isso também fogem um pouco do tema deste artigo.

Assim, apesar de aceitar a existência de diversos planetas habitados, o espiritismo ainda não oferece explicações sobre locomoção dos extraterrestres por meio de naves espaciais, nem sobre alguns “seqüestros” registrados. As comunicações existente entre o homem e habitantes de outro planeta podem, segundo o espiritismo, ser feitas por intermédio de médiuns que recebem mensagens de espíritos que estão em comunicação com os extraterrestres.

Encerraremos este artigo citando os dois últimos parágrafo da obra de José Neufel, Buscando Vida nas Estrelas, onde ele sintetiza, muito bem, o pensamento dos espíritas: “O homem, na sua extrema vaidade e seu inescondível orgulho, considera-se o rei da criação, quando, na realidade, é um ser ainda no início da escala evolutiva universal”.

“É esta convicção que o espiritismo procura transmitir, bem como o sentimento do que, ao melhorarmos nosso íntimo retificarmos nossas falhas e imperfeições, aprimoramos nossos espíritos em múltiplas e sucessivas existências, subimos na escala evolutiva e conquistamos o direito de viver em mundos melhores, migrando por planetas, estrelas e galáxias, numa apoteose gloriosa e sublime da ascensão espiritual.”

Eu acredito nesse texto! Que todos ficam com a paz de nosso Deus pai! Amem

Denn Pires

Seres extraterrestres: já estamos preparados para recebê-los?

Por Denn Pires há 13 horas

Seres extraterrestres: já estamos preparados para recebê-los?

Eu acho que essa humanidade não esta preparado para receber os nossos irmãos e irmãs extraterrestres de outros planetas. Mais mesmo assim esse grande encontro ao vivo vai acontecer em breve. Essa humanidade precisa de muita ajuda de Deus pai e dos nossos irmãos e irmãs extraterrestres de outros planetas na área da medicina, comunicação, tecnologia, agricultara, etc.

A ciência caminha a passos largos em direção ao grande acontecimento que deverá balançar as estruturas do nosso planeta: o encontro definitivo com nossos irmãos e irmãs Extraterrestres de outros planetas. De uns tempos para cá, passamos a ter muitas informações a respeito de visitas dos nossos irmãos e irmãs Extraterrestres de outros planetas. Pessoas diversas pelo mundo afora afirmam terem presenciado algum fenômeno que passou a ser chamado de UFO.

De repente, cientistas renomados passaram a afirmar que há muito tempo estamos sendo visitados por seres de outros planetas e que, a sua tecnologia é grandiosa e se quisessem ser hostis conosco não teríamos como nos defender, nos aniquilariam, o que os fazem concluir que são pacíficos e estão aqui com o intuito de nos ajudar a crescer em todos os sentidos e na caminhada da vida.

Sob o ponto de vista Espiritualista, sabemos que a Terra está passando por um período de transição, mudança energética, e que, logo estaremos em um outro patamar evolutivo. Talvez por isso estejamos sendo preparados para o contato, que poderá não tardar a acontecer. Tempos atrás escrevi um livro (O Brilho das Estrelas) sob a orientação invisível, que na época acreditava ser de um espírito desencarnado que me intuía ao escrevê-lo. Mas a medida em que a escrita fluiu, percebi que havia um ser inteligente, com uma energia sutil, diferente dos espíritos a que estava acostumado a contatar. Para minha surpresa certo dia eu os vi, eram três e se identificaram como sendo da Federação Intergaláctica, que estavam sob o comando do Jesus a nos auxiliar para que o nosso planeta não sofresse o revez de uma terceira guerra mundial e que, estavam a preparar terreno para o contato final que por certo ocorrerá em breve. Disseram ser Extraterrestres. Um deles disse-me:

– Irmão amado, companheiro de viagem cósmica que hoje habita esta nave-Terra, sou Zarkhan da 6a. Frota Intergaláctica.

Quantos mistérios, interiores e exteriores, aguardam a alma em sua caminhada sideral rumo aos Planos Superiores de Luz e Amor, onde habitam os redimidos? Quantas verdades, hoje consideradas imutáveis e patentes, dentro da lógica atual, haverão de ser reformuladas e recicladas, oferecendo às criaturas uma visão cada vez mais apurada e mais próxima da realidade, da bondade e do Amor do Criador por seus filhos queridos?

E Continuou:

– Quantos preconceitos e quantos paradigmas ditos e havidos como inexpugnáveis desmoronarão ante os contatos “à luz do dia” com seres oriundos de outras moradas siderais, como este que fazemos agora, que se tornarão comuns no decorrer deste milênio que se inicia para a humanidade da Terra? …

Então, meus amigos, isso foi real e hoje sinto-me confiante e muito contente de ver que tudo isso que eu presenciei e escrevi está bem próximo de se realizar para toda a humanidade. O encontro definitivo à luz do dia com esses seres está cada vez mais próximo e eles já estão presentes em casas Espíritas e Espiritualistas, como a que eu trabalho. Eles nos aparecem e nos trazem grandes ensinamentos, ainda invisíveis a muitos, porque ainda não têm autorização para estarem em nossa dimensão para todos verem. Eles são muitos e estão por todo o planeta. Estes que tive o prazer de conhecer são: Ashtar Sheran‎, Tuniu, Zarkhan, Artkron e muitos outros.

Pensemos nisso!

Texto escrito por Francisco Martins. Francisco Martins é empresário (sócio proprietário da Ônix Editora e Ônixjur – Publicações Jurídicas), advogado, escritor, ministra cursos, palestras e seminários espiritualistas, é diretor da Sociedade Espiritualista e Beneficente Irmão Cravo, em São Paulo, Capital.

Infelizmente, no começo do ano de 2017, o autor nos deixou, tendo, quem sabe, partido para as estrelas. Entretanto, deixou-nos como presente um importante acervo literário. Por sinal, pouco antes de seu falecimento ele tinha lançado o livro “Filhos da Estrela Azul – Exilados de Sirius”, que segue a mesma linha de “O Brilho das Estrelas”. Eu ainda não li o “O Brilho das Estrelas”. Eu vou comprar essa obra e será a minha próxima leitura a ser trabalhada.

O espiritismo é um tipo de literatura muito interessante no Brasil, possuindo grande repercussão e aceitação até mesmo dos não adeptos à doutrina de Allan Kardec, como é o meu caso. Mas, sempre tive o hábito de ler de tudo para poder ter diferentes visões sobre o tema os extraterrestres no centro espíritas.

Que Deus abençoe todos vcs! Amem!

Denn Pires

A influência dos extraterrestres nos centros espiritas!

Por Denn Pires há 14 horas

A influência dos extraterrestres na nossa civilização e nos centros espiritas!

Não é de hoje que os extraterrestres ajudaram a popular a Terra. A população humana teria sido influenciada por um grupo de extraterrestres manando pelo nosso Deus pai para visitar o planeta no passado. Nós não estamos sozinhos no universo. Os nossos irmãos e irmãs (EXTRATERRESTRES) estão monitorizando esse planeta terra a muitos anos atrás. Existem duas possibilidades quanto aos extraterrestres: os elevados moral e tecnologicamente e os elevados apenas tecnológica.

Os primeiros são membros da Confederação Cósmica ou Galáctica e nos observam muito atentamente, desde o advento da bomba atômica porque não estamos sós, neste braço de Órion (da via láctea), onde nos encontramos e muito menos no sistema solar, onde Vênus e Marte, principalmente mas não apenas, podem sofrer consequências de nossos desmandos destrutivos.

Contudo, visitam a Terra a milhões de anos, como bem comprovam provas arqueológicas como fósseis com pegadas de botas do período pré-cambriano, quando não haviam hominais por aqui, desenhos rupestres desde 17000 anos atrás.

Eles estavam diretamente envolvidos na evolução dos primatas, incluindo humanos, através de engenharia genética e/ou cruzamento, ajudando no desenvolvimento das culturas, tecnologias e religiões humanas. Foi proposto que, com a idade atual do universo e seu vasto número de estrelas, se a Terra era típica, a vida extraterrestre deveria ser comum. A teoria afirma que alguns extraterrestres propositadamente enganaram a população humana para acreditar que eles eram deuses, criando a religião para ajudar as pessoas a evoluírem de forma mais eficiente.

Em resposta a este paradoxo, a “hipótese zoológico” tem sido sugerida. Ela afirma que os extraterrestres evitam que sua presença seja conhecida pela humanidade, ou evitam exercer influência sobre o desenvolvimento, algo semelhante a um tratador que observa animais em um zoológico.

Atualmente, estão presentes e, a cada dia, mostrando-se mais presentes entre nós, principalmente em centros espíritas, onde se manifestam ostensivamente. A missão deles é nos acompanhar neste período difícil de transição, pelo qual eles mesmos já passaram no seu planeta natal ou planeta de origem, sem interferir, mas nos apoiando em encontrar soluções para nossos problemas e salva o planeta terra.

Quem é Jesus nos múltiplos universos? Jesus, também chamado de Sananda, por extraterrestres, é o Espírito de Maior hierarquia desta galáxia, sendo descrito como logus planetário. É a referência para todos os seres que buscam a felicidade porque está só pode ser obtida através da prática da lei da fraternidade que Ele mesmo nos trouxe. Jesus é um extraterrestre de qual dimensão?

É difícil dizer de qual plane é Jesus (Sananda) porque não creio que Ele seja desde universo tão jovem. Os extraterrestres se comunicam de que forma?

Nossos irmãos e irmãs (extraterrestres) se comunicam atrás vez da telepatia e da fala. Só os médiuns captam as mensagens dos extraterrestres? Médiuns somos todos, a partir dos animais superiores. Então, todos podem ser contatados. O Projeto Nova Terra, Nova Raça Humana que está sendo desenvolvido pela confederação galáctica, sob coordenação de Jesus (Sananda), neste momento, é DNA-Dependente. Ou seja, abduzidos e contatados são seres de DNA escolhido e assim o é em virtude de serem reencarnantes que aceitaram participar desse projeto. Não existem eleitos nisto. Apenas o compromisso com o aprimoramento da atual raça humana. Mas, em tempo futuro e não muito distante de hoje, o contato será às claras e irrestrito.

O Espiritismo é a religião oficial dos extraterrestres? Extraterrestres não têm religião, em sua maioria. Creem em Deus, a quem chamam de Fonte Criadora e se relacionam de um modo mais maduro que nós. O espiritismo , ao ver deles, é o campo mais propício, hoje, ao contato em maior escala, já que na própria codificação fala-se sobre a vida extraplanetária.

O que é abdução? É o fenômeno pelo qual um ser terrícola é levado a uma nave sem, aparentemente, permissão explícita do mesmo. Mas isso não é real, uma vez que os abduzidos são voluntários nesse processo. Perceba, as abduções podem ocorrer em diferentes encarnações e são, de modo geral, múltiplas numa mesma família, atestando a DNA- dependência do fenômeno.

Os extraterrestres estão em missão de paz? Os confederados, sim. Os pesquisadores não relacionados com o projeto Nova Terra, não tem qualquer interesse em nos prejudicar. Os draconianos, seres reptilianos que chegaram à Terra pouco depois do dilúvio bíblico, aportando na África, mancomunaram-se com os magos negros da Terra e compõe o que é conhecido como governo oculto, cuja manifestação tridimensional são os iluminatti e os 12 magníficos.

Estes últimos nada de bom fazem e são altamente destrutivos para o planeta e para todas as espécies que aqui vivem. Extraterrestres nos Centros Espíritas: São espíritos avançados e viajam em aeronaves espaciais. Quando comecei a pesquisar a relação entre ufologia espiritual e o Espiritismo, comecei a perceber como é difícil associar duas formas de conhecimento espiritual distintas.

Muitos líderes do movimento espírita não gostam de usar a palavra extraterrestre dentro dos centros espiritas, e nem mesmo aceitam a presença de seres de outros planetas nas sessões espiritas mediúnicas. Os extraterrestres dentro dos centros espiritas podem ajuda muitas pessoas (Espíritos) na evolução da caminha da vida. Esses lideres do movimento espírita têm que cai na real que todos nós somos irmãos e irmãs que somos filhos do mesmo Deus pai!

Deus pai enviou os nossos irmãos e irmãs (extraterrestres) para ajuda nós todos na caminha da historia da vida. Apesar do Espiritismo falar claramente sobre a pluralidade dos mundos habitados, o contato com os extraterrestres raramente são levados a sério.

Alguns adeptos do movimento espírita chegam ao ponto de afirmar que aparições de seres do espaço, humanoides e não humanoides são espíritos obsessores disfarçados de extraterrestres. Seu objetivo seria confundir os seres humanos, distorcer o conhecimento, e desviar as pessoas do progresso espiritual.

Como já mencionamos anteriormente nesta obra, há abundantes evidências da existência de seres extraterrestres como seres físicos, com naves e tecnologia superior. O Espiritismo é uma doutrina cristã por excelência. O livro “Evangelho Segundo o Espiritismo” forma a base dos seus ensinamentos cristãos. As palavras de Jesus, seus pensamentos e idéias, tal como expressos no Novo Testamento, são uma orientação essencial para a doutrina espírita.

O único ensinamento de Jesus (Sananda) que, se bem interpretado, pode revelar algo sobre a vida extraterrestre é a famosa frase que diz “Na casa de meu Pai há muitas moradas”. Isso que dizer que no universo que é casa do nosso Deus pai tem vários planetas que muito parecido com esse planeta que se chama terra!

Os espíritas e não espíritas acreditam firmemente que Jesus estava se referindo aos diferentes planetas do universo. Mas talvez não sejam apenas os planetas a abrigar vida, é possível que outros corpos celestes tenham essa mesma função, algo desconhecido da ciência da Terra.

É possível que as estrelas, incluindo nosso sol, sejam uma “morada” para seres de ordem espiritual mais elevada. Os habitantes das estrelas, provavelmente, não ficam restritos a sua superfície como ficam os terráqueos à Terra, presos pela força da gravidade e pelo peso de sua condição corpórea. Dizem que os habitantes solares vivem em outra dimensão, além do plano material.

O Espiritismo é, provavelmente, a teoria mais antiga que aceita integralmente a existência extraterrestre. Os ensinamentos espíritas são bem claros a esse respeito: miríades de seres estariam povoando todo o conjunto do universo. Esse superpovoamento, pregado pelo francês Alan Kardec, chega a ocupar todos os espaços do cosmos.

Segundo os espíritos que teriam transmitido a doutrina espírita, em todos os globos do universo existem seres de variados graus de progresso espiritual. Dos mundos inferiores aos mundos superiores, a criação divina não admite espaço vazio, ou zonas despovoadas e sem qualquer utilidade para a inteligência suprema.

A inutilidade é uma idéia contrária a própria natureza divina, em sua infinita perfeição e sabedoria. Há vida em todos os globos que se movem no espaço. Deus pai, em sua infinita sabedoria, jamais poderia ter criado os mundos para nada servirem; para se tornarem grandes massas sólidas de matéria que giram no espaço e nada produzem de útil.

Para que a providência se cumpra, é necessário que existam seres habitando os mundos, e que neles sejam realizados os propósitos divinos, que, em essência, é a evolução dos espíritos – pelos seus próprios méritos – rumo à perfeição. De acordo com o Espiritismo, como seria a forma dos seres de outros planetas? O Livro dos Espíritos menciona sobre as constituições físicas de cada mundo. Essa constituição varia de um mundo a outro e obedece ao nível de adiantamento moral de um globo (planeta). Isso significa que, quanto maior o grau de progresso alcançado, maior o embelezamento da forma física desses seres. Por outro lado, quanto mais degradado moral e espiritualmente é uma civilização, menor será sua beleza física.

Essa idéia está ligada a teoria da beleza do Espiritismo. Essa teoria proclama que a evolução moral e espiritual de uma raça acompanha e influencia no seu grau de embelezamento. Uma constituição animalizada, com traços grosseiros, pode indicar uma forma onde os instintos prevaleçam sobre a inteligência, o caráter e a moral.

Por outro lado, uma forma refinada, leve, com traços finos, demonstraria uma evolução moral. Estamos tratando da Transição Planetária atual e dos desdobramentos naturais das atividades da GRANDE FRATERNIDADE BRANCA e dos seus Servidores em todas as atividades humanas e não humanas (animais, minerais, vegetais e elementais) em face das transformações no planeta Terra. O presente texto não visa, de forma alguma, levantar críticas ao espiritismo.

Pelo contrário, somos infinitamente gratos à codificação de Kardec. Entendemos que, como numa família, deveríamos sentar para discutirmos os pontos críticos para avançarmos. É nosso desejo e aspiração avançarmos sempre, aprendendo os novos caminhos e infinitos que são os caminhos do Espírito da Verdade. UMA SITUAÇÃO CULTURAL DOS ESPÍRITAS SOBRE OS EXTRATERRESTRES A existência dos espíritos dos homens como seres desencarnados.

Mas os espíritas não refletem a idéia de espíritos de seres extraterrestres que possam ter desencarnado na Terra. Kardec codificou o Espiritismo com base nos ensinamentos dos “Espíritos”, mas os espíritas relutam em acatar ensinamentos de “Espíritos” que se dizem Extraterrestres, afirmando que estes estão tentando confundir os médiuns, ou que são obsessores. Vamos relatar um caso ocorrido no Plano Espiritual de um ser terrestre que visitava um Centro Espírita.

Não temos autorização para citar nomes. Este ser era advogado em sua última encarnação na Terra. Em visita a um Fórum constatou um fato raro: a presença de um advogado médium no Fórum sem estar acompanhado por nenhuma entidade espiritual. Acompanhou aquele médium, vendo ali uma oportunidade de trabalho. Passou a seguir o médium, procurando uma oportunidade de se manifestar quando o mesmo comparecesse a uma reunião espírita.

Tal se deu e este Advogado Desencarnado compareceu como observador ao Centro Espírita. Vendo o desdobramento dos trabalhos da casa, observou do médium uma coisa completamente estranha a este espírito. Uma entidade alienígena – um ET – usando dos fluídos do médium tornou-se visível a este espírito do advogado e manifestou-se com extrema dificuldade de comunicação. Relata este espírito do advogado que o ET não foi nada bem vindo.

Também os espíritos desencarnados se sentem ameaçados pelos ETS, pois eles vibram numa faixa superior à dos Espíritos terrestres que se encontram presos à atmosfera da Terra. Relata o espírito do advogado que os espíritos que se encontravam no Centro Espírita começaram a desdenhar o ET que se manifestou com um pequeno sinal que causou estranho formigamento naqueles espíritos zombedeiros.

Assim, o dirigente da Casa pediu que o ET se afastasse para dar oportunidade a outro espírito de se manifestar. Foi então que este espírito do advogado se manifestou e foi bem recebido pelos médiuns e dirigentes da casa. Terminados os trabalhos da Casa Espírita este espírito do advogado acompanhou o médium (ver no início) até sua casa. Ao deitar, o espírito do advogado constatou que o médium foi assediado por espíritos perturbadores que lhe causavam tormentos e danos nos órgão físicos. Foi então que surgiu o ET, a entidade alienígena, que tornou-se visível e começou a agir em defesa do médium.

O pequeno ser verde aprisionou as entidades obsessoras causando-lhes danos nos seus perispíritos deixando que fugissem ou sofreriam de forma mais grave. Após esta cena que foi observada pelo espírito do advogado, ele, o ET e o espírito do médium conversaram grande parte daquela noite. Estamos tentando uma forma de disponibilizar maiores informações sobre este assunto e as repercussões desse relacionamento que surgiu desde então – ensinamentos e informações sobre os “médiuns intergaláticos”. Todavia, sabemos que muitas informações são feitas por extraterrestres usando nomes terrestres tais como “Dr. Fritz” e outros da Grande Fraternidade Branca.

O que vale é a universalidade dos ensinamentos. Estaremos em breve diante de fatos reais de contatos e seria muito melhor termos uma real compreensão dessas coisas enquanto nossas mentes e nossas emoções estão “equilibradas” para analisar e aprender… CASAS ESPÍRITAS E SERES EXTRATERRESTRES Casas Espíritas e Seres Extraterrestres Também é motivo de preocupação para nós, o silêncio por parte das Casas Espíritas, quando o assunto é comunicação mediúnica dos seres extra-planetários. Concordamos que as instituições Espíritas de modo geral, com seus médiuns e estudiosos da Doutrina, detêm a credibilidade desejada para que essas comunicações se estabeleçam, entretanto isso parece não estar ocorrendo, ou se ocorre, não está sendo divulgado.

Existiriam médiuns dessas Casas que estariam recebendo essas mensagens e se sentindo constrangidos de apresentarem sua origem? Enfim, estariam os irmãos extraterrestres buscando outros canais de comunicação, por se acharem fechados aqueles? Essas questões não podemos afirmar, mas supomos que possam estar ocorrendo.

Fica a cargo do leitor o julgamento. Que eles estão muito próximos, a nível físico, não há dúvida. Adquira a confiança de um piloto de aviação comercial e consulte-o sobre o assunto. Temos tido informações de que o avistamento de OVNIs é cada vez maior por parte desses profissionais, ao longo de todo o planeta e muito intenso aqui no sul do Brasil, sendo inclusive detectados pelos radares da defesa aérea.

Que querem afinal esses nossos irmãos extraterrestres? O nosso irmãos e irmãs só querem ajudar a humanidade( espíritos encarnados) aqui na terra e cumpri a missão deles que foi dado por nosso Deus pai! Qual a sua mensagem? Se as querem ou precisam passar através das autoridades governamentais é fácil entender porque não conseguem. Sendo esses irmãos mais evoluídos que nós, moral e intelectualmente, que absurdo haveria em se preocuparem conosco, principalmente nesta hora em que a humanidade parece caminhar para o abismo? Não é assim que procedemos com nossas crianças diante do perigo? Não lhes estendemos as mãos nas dificuldades e até lhes impedimos de caminhar sozinhas em determinadas situações? Quanto ao serem dramáticas e aterradoras as mensagens desses seres, imaginamos ser necessário, nesta hora, não somente uma simples advertência, mas um forte grito de alerta capaz de impedir a caminhada da humanidade em direção ao caos ou destruição. Há uma obra, ditada pelo Espírito Humberto de Campos, através do médium Chico Xavier, em cujo capítulo, narra uma incursão daquela entidade ao mundo físico do Planeta Marte.

Numa cidade marciana, em dado momento, vários encarnados se reúnem num tempo para orar e buscar aproximação com seus vizinhos terráqueos. Sob o influxo poderoso daquelas mentes irmanadas no mesmo nível evolutivo, desce do Alto um mensageiro celeste trazendo a seguinte mensagem: “Irmãos e irmãs, ainda é inútil toda tentativa de comunicação com a Terra rebelde e incompreensível! Debalde os astrônomos terrenos vos procuram ansiosos, nos abismos do Infinito!… Seus telescópios estão frios, suas máquinas geladas… somente agora, cogitam as instituições divinas da transição necessária, a fim de que a vida na Terra se efetive com o sentido da verdade humanidade… Irmãos, contemplemos a Terra e peçamos ao Senhor do Universo que as modificações, precisas ao seu aperfeiçoamento, sejam menos dolorosas ao coração de suas coletividades…” (Novas Mensagens, pp. 66-67, Cap. Marte). Também as obras “E a Vida Continua…” e “Mensagens do Astral” (Ramatis) tecem considerações sobre as provações coletivas que assolarão a humanidade terrestre. Nenhuma delas precisa datas mas dão a entender que o tempo em que ocorrerão está próximo.

Caro leitor. Preocupa-nos o silêncio dos Centros Kardecistas quanto a essa questão. Entendemos a importância dos ensinamentos evangélicos na educação espiritual e sua necessidade para impulsionar as criaturas na direção de sua renovação, mas acreditamos ser extremamente necessário o estudo e abordagem da ciência espiritualista nessas Casas.

Os chacras, os sete corpos do homem, transcomunicação, problemas da alimentação, etc, ao nosso ver, são temas importantíssimos que deveriam ser estudados nesses Centros. Afinal, Kardec incentivou o estudos de novas matérias, desde que com critério e analisadas à luz do bom senso. Temos conversado com irmãos e irmãs frequentadores de Centros Kardecistas inconformados com esta postura e que buscam esclarecimentos nas obras de Ramatis, lendo-as “clandestinamente”, por não serem reconhecidas pela FEB. De qualquer forma, reconhecemos que nossa necessidade atual é de reforma íntima, e mesmo que não acreditemos que essas previsões venham a ocorrer, devemos ter como principal preocupação nosso progresso espiritual, adotando como postura de vida os ensinamentos do Mestre Jesus, que certamente nos colocarão em condições de enfrentar qualquer situação com serenidade e equilíbrio. Esse é um texto que eu acredito nele!

Vcs tem dar o espaço para nossos irmãos e irmãs (EXTRATERRESTRES) para pode da uma orientação mental e espiritual. Um Abraço Fraterno com votos de Paz e Harmonia,

Denn Pires

A vida extraterrestre na visão espirita -2ºparte

Por Denn Pires há 21 horas

A vida extraterrestre na visão espirita -2ºparte

No Brasil, Chico Xavier falou que nos anos de 2019 e 2057, seriam grandes as chances de fazermos contato com eles. “Esses seres trarão grandes avanços médicos, tecnológicos e científicos nunca antes imaginados, etc”, teria declarado o médium. Os nossos irmãos e irmãs extraterrestre que moram em outros planetas evoluídos estão aqui para ajuda os espíritos encarnado para que poção evoluir na mente e nas atitudes! Eles querem mostra para essa civilização dessa humanidade (Espíritos encarnados) o caminho do crescimento e da evolução. Eles querem fazer dessa civilização dessa humanidade (Espíritos encarnados) uma civilização pura de coração e abençoada o nosso Deus pai. Eles são os mensageiros do nosso Deus pai. Vai ser tão bom ver essa humanidade e essa civilização evoluir com rapidez na caminha da vida. Vai ser tão bom ver esse planeta sem guerras, fome, etc. Eles são mais evoluídos mentalmente do que os espíritos encarnado que viver aqui nesse planeta.

Muitos seguidores do espiritismo não acreditam em nossos irmãos e irmãs que moram em outros planetas. Não aceitam essa teoria que no universo existem vários tipo de raça de humanoides. Mais o nosso irmão Jesus já falou que na casa do nosso Deus pai tem varias moradas. Mais o nosso irmão Jesus já sabia que existir moradas no universo que é casa do nosso Deus pai. Ele já sabia que existiam varias raças de humanoides nos planetas espalhados pelo universo. Mais ele não podia fala para essa humanidade daquela época. Se o nosso irmão Jesus fala-se a verdade para a humanidade. A humidade não tinha capacidade ainda de compreender esse assunto sobre a existência de vida inteligente em outros mundos habitados.

Pelos idos de 1858, Kardec já se referia à existência de vida inteligente em outros mundos habitados, inclusive com entrevistas realizadas por meio da evocação de seres de outras moradas. O que causa estranheza é a dificuldade que os adeptos do espiritismo, em sua grande maioria, têm em entender tal realidade. Mais estranha ainda é toda reação de irmãos de outras moradas em nosso ambiente por meio de médiuns, por exemplo, pela psicofonia. As comunicações existentes entre o homem da Terra e habitantes de outros planetas podem, sim, segundo o espiritismo, ser feitas a partir de médiuns que recebem mensagens pela psicofonia ou pela psicografia de espíritos que estão em comunicação com os extraterrestres.

Além da entrevista citada no início deste artigo, tivemos outro episódio de contato com extraterrestres através da mediunidade, cito – a entrevista com Goulan, através de Robson Pinheiro; – Ambos episódios, bem como a repercussão, me fizeram ir a campo à procura de algum material que pudesse lançar mais luz sobre o tema. E não foi nada surpreendente encontrar nas pesquisas de Allan Kardec um riquíssimo conteúdo, o qual apresento logo abaixo, para leitura, estudo e reflexão, aos que desejam ir além do que as pessoas dizem e tudo mais. Os textos constam da Revista espírita. Esse periódico, com a função de divulgação da doutrina espírita, foi lançado por Allan Kardec com recursos próprios, em 1º de janeiro de 1858, em Paris. Kardec foi o diretor da revista até o seu falecimento, em 31 de março de 1869. Ele a utilizava para o desenvolvimento e o debate de ideias que seriam, muitas delas, após consolidadas, transferidas para os livros da Codificação Espírita. Após a morte de Kardec, a revista sofreu várias interrupções em sua publicação e em sua distribuição. Por ocasião da realização do Congresso Espírita Mundial, em Cartagena, na Colômbia, em outubro de 2007, todos os direitos de propriedade da revista foram adquiridos pelo (csi), e em nossos dias ela é editada em francês, esperanto, espanhol, inglês, polonês e russo. Eu me atrevo a dizer que os 12 volumes dessa incrível revista (1858 a 1869), de suma importância para o entendimento do espiritismo, são quase desconhecidos pela maioria dos espíritas atuais.

É importante também salientar que não foi somente Kardec que se interessou pelo tema. Antes dele, Margaret Fox, uma das irmãs Fox que deram origem ao espiritismo na América, havia mencionado o assunto. No Brasil, vários médiuns trataram da temática extraterrestre. Chico Xavier, por exemplo, psicografou Cartas de uma morta, pelo espírito de sua mãe, Maria João de Deus, cuja história se passa em Marte; e Crônicas de além-túmulo, pelo espírito Humberto de Campos, em que se narra, no capítulo 24, uma reunião à qual compareceram anciãos da sociedade de Marte, estudiosos de Saturno, cientistas e apóstolos de Júpiter e outros representantes da vida do nosso Sistema Solar. O livro A caminho da Luz, de Emmanuel, que revela como extraterrestres, oriundos de diferentes mundos da Constelação do Cocheiro, chegaram à Terra e se miscigenaram com os habitantes do planeta, impulsionando sua evolução.

Por sua vez, Hercílio Maes recebeu, do espírito Ramatis, a obra A vida no planeta Marte. Nela, Ramatis explica que o marciano não apresenta as mesmas características substanciais do terráqueo, pois, apesar de ter a mesma forma, vibra num plano mais energético que material; seu mundo situa-se num campo vibratório adequado a seu corpo físico, ou seja, é menos material que o nosso. Recentemente, os espíritos de Ângelo Inácio e Júlio Verne, pela psicografia do médium Robson Pinheiro, propuseram um estudo mais amplo sobre o assunto com os livros Os nephilins e Os abduzidos, publicados pela Casa dos Espíritos Editora.

Vamos aos textos de Allan Kardec sobre o assunto! Tenho certeza de que, como eu, vocês irão se encantar com a leitura:

A PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS

“Se jamais houvéssemos visto um peixe, não poderíamos conceber um ser vivendo na água; não teríamos a menor ideia de sua estrutura… Por que então não admitir que outras formas de vida podem viver em outros planetas, num meio diverso do nosso? Pudemos observar, até agora, que na Lua não vivem seres como nós, mas como não temos conhecimento de suas estruturas, não podemos dizer com certeza se nela existem ou não outros tipos de vida.

[…]

Por meio de simples raciocínio, pudemos chegar, como muitos antes de nós, a uma conclusão favorável à pluralidade dos mundos. Tal raciocínio é confirmado pelas revelações dos espíritos, que nos dizem que os mundos são habitados por seres que podem ser mais ou menos evoluídos que nós… E, ainda mais, hoje sabemos ser possível entrar em contato com eles e obter esclarecimento sobre seu estado. Assim, tudo é povoado no universo. Planetas sólidos, o ar, as entranhas da Terra e até as profundezas etéreas.”

(Revista espírita, março de 1868, p. 65, 66, 67)

“Segundo os espíritos, o planeta Marte seria ainda menos adiantado que a Terra. Os espíritos ali encarnados parecem pertencer quase que exclusivamente à nona classe, a dos espíritos impuros […]. Vários outros pequenos globos estão, com alguns matizes, na mesma categoria. A Terra viria em seguida; a maioria de seus habitantes pertence incontestavelmente a todas as classes da terceira ordem; e uma parte bem menor, às últimas classes da segunda ordem. Os espíritos superiores, os da segunda e da terceira classe, aqui cumprem, algumas vezes, missões de civilização e de progresso, mas constituem exceções. Mercúrio e Saturno vêm depois da Terra. A superioridade numérica dos espíritos bons dá-lhes preponderância sobre os espíritos inferiores, do que resulta uma ordem social mais perfeita, relações menos egoístas e, consequentemente, condições de existência mais felizes. A Lua e Vênus encontram-se mais ou menos no mesmo grau e, sob todos os aspectos, mais adiantados que Mercúrio e Saturno. Juno 18 e Urano seriam ainda superiores a estes últimos. Pode supor-se que os elementos morais desses dois planetas são formados das primeiras classes da terceira ordem e, em sua grande maioria, de espíritos da segunda ordem. Os homens são ali infinitamente mais felizes que na Terra, em razão de não terem de sustentar as mesmas lutas nem sofrer as mesmas tribulações, assim como não se acham expostos às mesmas vicissitudes físicas e morais.”

(Revista espírita, março de 1858, p. 116)

CIVILIZAÇÕES CÓSMICAS E SEUS DIFERENTES HABITANTES

Vários artigos foram publicados na Revista espírita descrevendo a realidade da vida de extraterrestres que deram informações, inclusive sobre costumes, moradias, alimentação e meios de transporte e comunicação. Por exemplo, sobre o planeta Júpiter e seus habitantes, há informações quanto à conformação física, que é quase igual à nossa, porém, a densidade de seus corpos é tão pequena que pode ser comparada à dos nossos fluidos imponderáveis, tendo o aspecto vaporoso, imaterial e luminoso, principalmente nos contornos do rosto e da cabeça. Esse brilho magnético é semelhante àquele que os artistas simbolizaram na auréola dos santos. O de Júpiter é grande – maior que o terráqueo –, seu desenvolvimento é rápido, e sua infância dura apenas alguns meses. A duração de sua vida equivale a cinco de nossos séculos. Falam ainda sobre a locomoção, que é fácil e obtida pelo esforço de vontade, pois, como a densidade do corpo jupteriano é pouco maior do que a atmosférica, ele se liberta facilmente da atração planetária. Enquanto aqui andamos, eles deslizam pela superfície com a facilidade de um pássaro no ar.

Um jovem literato e médium chamado Victorien Sardou, contemporâneo de Allan Kardec, teve a oportunidade de desenhar cenas que retratam habitações, moradores e cenas do dia a dia da civilização daquele planeta. Teve a orientação do espírito Bernard Palissy – que nasceu em Lacapelle-Biron, na França, em 1510, e faleceu na Bastilha, em Paris, em 1590; portanto, habitou a Terra, onde foi ceramista. Após sua morte, Palissy migrou e se tornou habitante de Júpiter, segundo o próprio Allan Kardec. O mais curioso de tudo isso foi que ele não se deteve em apenas desenhar, mas também falou e explicou que a atmosfera do planeta é diferente da terrestre. Segundo Palissy, a água do planeta é mais etérea, mais parecida com vapor, e a matéria quase não existe como a conhecemos. Algumas plantas assemelham-se às nossas, e existem flores com uma textura tão delicada que são quase transparentes. Com relação às habitações, disse que o material com o qual são construídas as casas de Júpiter funde-se sob a pressão dos dedos humanos, como se fosse neve, e que é um dos materiais mais resistentes do lugar. Trouxe, inclusive, detalhes de como as vidraças são feitas de vidro líquido e colorido, que endurece ao tomar contato com o ar. Dá para imaginar tudo isso, pessoal? Que por serem leves são transportáveis a qualquer lugar do planeta… Ainda de acordo com ele, durante certas épocas do ano, o céu fica obscurecido por uma nuvem de “casas” que vêm de todos os pontos. É um passar ininterrupto de moradias de várias formas, cores e tamanhos. Somente quando finda a temporada, o céu fica livre desses curiosos pássaros. Os jupterianos comunicam-se por telepatia, mas também se utilizam de linguagem articulada quando em contato com seres de outros orbes. A segunda visão, ou clarividência, é permanente. O estado rotineiro deles pode ser comparado ao de um ”sonâmbulo lúcido”, e é por isso que podem comunicar-se conosco com uma facilidade maior que habitantes de mundos mais grossos e materiais.

ALLAN KARDEC EVOCA EXTRATERRESTRES PARA RESPONDER PERGUNTAS

A seguir, destacamos os temas das perguntas feitas por Allan Kardec ao espírito de Bernard Palissy, pelo método da evocação, através da mediunidade de Victorien Sardou. Os textos do estudo completo estão no primeiro volume da Revista espírita (ano I, 1858, feb) disponível para download gratuito no site da FEB. O conteúdo reproduzido a seguir pode ser encontrado nas edições dos meses de março, abril e agosto desse primeiro volume, de acordo com as seguintes temáticas:

Março:

- Pluralidade dos mundos (pág 109)

- Júpiter e alguns outros mundos (pág 112);

Abril:

- Descrição de Júpiter (pág 171);

Agosto:

- Habitações do planeta Júpiter (pág 347).

 Kardec faz diversos questionamentos ao espírito Bernard Palissy sobre a vida em Júpiter, composição física do planeta, dos habitantes, dos animais, estado moral entre outros. Recomendamos a leitura das partes indicadas acima para entender na íntegra o diálogo.

Há ainda um imenso edifício por se construir! Basta a leitura dos novos livros psicografados no meio espírita para saber sobre a transição planetária em andamento.

Amem!!

Denn Pires

A vida EXTRATERRESTRE, por Chico Xavier e Kardec

Por Denn Pires há 22 horas

A vida EXTRATERRESTRE, por Chico Xavier e Kardec

Geraldo Lemos Neto é a pessoa que nos oferece este conhecimento das suas vivências com Chico Xavier, através de suas palestras. Geraldo, conterrâneo de Chico Xavier, mineiro de Belo Horizonte, de família espírita, nascido em 1962. Conheceu a Doutrina Espírita desde muito jovem, ingressando no movimento espírita pela influência de sua família materna, a família Machado de Pedro Leopoldo. Em 1981 conheceu pessoalmente Chico Xavier com quem desenvolveu grande amizade.

Seguindo recomendação do próprio Chico, Geraldo iniciou pelo Cenáculo Espírita Antônio de Pádua e pela União Espirita Mineira então dirigida por Dª Neném Aluotto e Martins Peralva, chegando a participar da Mocidade Espírita O Precursor e da Cantina Francisco de Assis, ambos da União Espírita Mineira. Fundou o Departamento Editorial da União Espírita Mineira em 1984 onde coordenou a publicação de 12 livros, sendo 10 deles da lavra de Chico Xavier. Então, não estamos falando de qualquer palestrante que apurou escritos aleatórios sobre a vida extraterrena, pois Geraldo é ainda o autor da biografia Chico Xavier – Mandato de Amor, lançada pela União Espírita Mineira para comemorar os 65 anos de mediunidade de Chico Xavier em 1992.

Dessa forma, muita informação preciosa poderia sair dessa parceria.

Em palestra no Broward Spiritist Society nos dias 14/01/2017 e 16/10/2017 em Pompano Beach, Florida – EUA, Geraldo associa os conhecimentos de Kardec e Chico Xavier para o entendimento da vida extraterrestre, e incita-nos a indagar o por quê de tal assunto ser um tabu, ainda dentro dos próprios centros espíritas do Brasil e do mundo, que deveriam ser fontes de tal informação ou seja, de onde deveria partir muita naturalidade sobre o que vai ser falado, já que o próprio Kardec falou naturalmente sobre o assunto há mais de 160 anos.

Há 2000 anos Jesus falou assim, no evangelho de João, capítulo 14, vers. 2: “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito”. Dessa forma, para os espíritas, Jesus citou algo que nas palavras de Kardec chama de “pluralidade dos mundos”. Obviamente Jesus, naqueles tempos tão remotos, não poderia ser 100% claro, pois aquele povo ainda era muito ignorante para entender tudo o que ele tinha a ensinar e, mesmo que quisesse falar claramente, aquele povo não iria entender.

Na TV Tupi, no início dos anos 70, Chico Xavier estrelou um programa chamado Pinga-Fogo, onde eram oferecidas perguntas para Chico e o mesmo respondia prontamente de acordo com o conhecimento da Doutrina Espírita. Em uma das apresentações, Chico revela: “Nós vamos compreender que fazemos parte de uma família universal, que não somos o único mundo criado por Deus”. Dessa forma, Chico Xavier se tornou a primeira personalidade religiosa a admitir a crença em vida extraterrestre.

Dentro da mesma fala citada acima, Chico revela que existe um prazo de 50 anos para que os humanos da Terra aguentem suas diferenças e evitem iniciar um conflito armado de grandes proporções (uma nova guerra mundial). Tal prazo começou a partir do ano em que o homem pisou na Lua, ou seja, em 1969. Se assim for, viveremos um período de conquistas extraordinárias em diversos aspectos, inclusive em pesquisas espaciais, podendo, o homem, explorar a Lua de uma forma mais efetiva e, ainda, conseguiríamos obter contato com seres diversos do nosso universo.

Geraldo é feliz em falar do que vivemos hoje em dia no tocante aos flagelos humanos, dos terremotos e demais tragédias que nos assolam, preparando a Terra para os novos tempos, porém jamais para o fim do mundo, citando que não existe esse tal “fim do mundo”, mas sim o “fim do velho mundo”, ganhando um contexto bem diferente. Assim como diz Kardec: “Anunciando a época de renovação que se havia de abrir para a Humanidade e determinar o fim do velho mundo, a Jesus, pois, foi lícito dizer que ela se assinalaria por fenômenos extraordinários, tremores de terra, flagelos diversos, sinais no céu, que mais não são do que meteoros, sem ab-rogação das leis naturais.”

Bem ao contrário do que os filmes hollyudianos retratam, os extraterrestres não teriam intenções hostis conosco. Essa coisa de imperialismo, onde os mais evoluídos ocupam as terras dos mais atrasados é ignorância da mente limitada humana. Segundo os relatos de Geraldo, os extraterrestres são deveras preocupados com nossa conduta armada, estando apreensivos quanto ao mal uso da sabedoria nuclear, que usamos para construir armas de destruição em massa.

Sobre a vida e lar desses seres, Kardec expõe: “Chegamos, pois, por um simples raciocínio, que muitos outros fizeram antes de nós, a concluir pela pluralidade dos mundos, e esse raciocínio se encontra confirmado pela revelação dos Espíritos. Eles nos ensinam, com efeito, que todos esses mundos são habitados por seres corpóreos apropriados à constituição física de cada globo; que, entre os habitantes desses mundos, uns são mais, outros são menos, avançados do que nós do ponto de vista intelectual, moral e mesmo físico. Ainda mais, hoje, sabemos que podemos entrar em relação com eles, e deles obter notícias sobre o seu estado; sabemos, ainda, que não só todos esses globos são habitados por seres corpóreos, mas, que o espaço está povoado por seres inteligentes, invisíveis para nós por causa do véu material lançado sobre a nossa alma, e que revelam a sua existência por meios ocultos ou patentes. Assim, tudo é povoado no Universo, a vida e a inteligência estão por toda parte: sobre os globos sólidos, no ar, nas entranhas da terra, e até nas profundezas etéreas.” (REVISTA ESPÍRITA JORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS PUBLICADA SOB A DIREÇÃO DE ALLAN KARDEC ANO 1 – MARÇO 1858 – Nº. 3)

Aldo Pereira

A influência dos espíritos.

Por Aldo Pereira há 23 horas

Participante: o senhor falou que existem diversos espíritos aqui agora?

*Sim, os espíritos estão por toda parte e vocês estão sempre em contato com eles, apesar de não terem percepção disso. Leia o capítulo IX do Segundo Livro de O Livro dos Espíritos e verá como eles intervêm no mundo corporal. Garanto-lhe que acabará esta leitura impressionada com quanta coisa você acha que faz por vontade própria, mas que na verdade é apenas o resultado da indução de um ser desencarnado.

Os espíritos, segundo o Espírito da Verdade, estão sempre se relacionando com os encarnados para dirigi-los, seja induzindo-os a fazer o que precisa acontecer (pergunta 525a), dando a eles os pensamentos (pergunta 459) ou ainda realizando diversas ações. Mas, como ensina Kardec, os seres humanizados não conseguem perceber a interferência e a presença desses seres:

“Imaginamos erradamente que aos Espíritos só caiba manifestar sua ação por fenômenos extraordinários. Quiséramos que nos viessem auxiliar por meio de milagres e os figuramos sempre armados de uma varinha mágica. Por não ser assim é que oculta nos parece a intervenção que têm nas coisas deste mundo e muito natural o que se executa com o concurso deles”. (Pergunta 525a)

Então, vocês nunca estão sozinhos. Na verdade nunca estão isolados de outros espíritos. Na verdade, se isolam do mundo espiritual. Que lugar usam para se isolar do mundo espiritual? A razão humana.

Apenas quando a razão diz que há a presença de algo espiritual naquele momento vocês conseguem conviver com este mundo. Quando ela não fala nada, imaginam que o mundo espiritual não está presente. Aí vivem sob a tutela do sistema humano de vida. Portanto, é preciso abandonar o refúgio da razão humana para poder comungar com o mundo espiritual. Mais uma vez provamos o que estamos dizendo: vocês não conseguem comungar com Deus porque estão vivendo em comunhão com a razão humana. Como esta comunhão não pode deixar de existir, o trabalho da reforma íntima se consiste em mudar os valores desta razão para que ela seja executada com o mundo espiritual e não com os anseios materiais. Realizando esta mudança, mesmo não vendo os espíritos ao seu lado, você pode saber que eles estão aí e por isso nunca está só. Se isso é real, você não precisa mais viver a solidão que a razão cria quando não há a percepção de ninguém perto de você.

*Joaquim de Aruanda.

Denn Pires

A vida extraterrestre na obra de Allan Kardec e Chico Xavier

Por Denn Pires há 1 dia

A vida extraterrestre na obra de Allan Kardec e Chico Xavier

Em virtude da grande repercussão sobre a entrevista realizada por Robson Pinheiro à extraterrestre Shellyanna, através da mediunidade da Dra. Mônica de Medeiros, recebemos desde então diversas opiniões, críticas e elogios evidenciando uma grande lacuna a respeito do assunto vida extraterrestre. Como a grande maioria das críticas vieram dos espíritas, trouxemos neste artigo, para surpresa de muitos, a visão de Kardec, Chico e outros avatares do espiritismo a respeito deste tema. Todas as fontes são citadas no artigo. Acompanhe até o final comigo!

Os espíritos afirmam que todos os orbes têm sua civilização, em estágios diferentes de evolução. Sob esse enfoque, podemos dizer que o Sistema Solar é um laboratório rico em quantidade e variedade de espécies, e o humano terráqueo é apenas uma delas. Sendo assim, didaticamente, cada planeta constitui verdadeira escola ou oficina, onde o princípio inteligente da criação, ou espírito, tem a oportunidade de se descobrir como colaborador na obra de Deus.

“Deserto inimaginável estende-se além das estrelas. Lá, em condições diferentes das do vosso planeta, novos mundos revelam-se e desdobram-se em formas de vida que as vossas concepções não podem imaginar, nem vossos estudos, comprovar.”

(Allan Kardec, no livro A gênese)

Pelos idos de 1858, Kardec já se referia à existência de vida inteligente em outros mundos habitados, inclusive com entrevistas realizadas por meio da evocação de seres de outras moradas. O que causa estranheza é a dificuldade que os adeptos do espiritismo, em sua grande maioria, têm em entender tal realidade. Mais estranha ainda é toda reação contrária à manifestação de irmãos de outras moradas em nosso ambiente por meio de médiuns, por exemplo, pela psicofonia. As comunicações existentes entre o homem da Terra e habitantes de outros planetas podem, sim, segundo o espiritismo, ser feitas a partir de médiuns que recebem mensagens pela psicofonia ou pela psicografia de espíritos que estão em comunicação com os extraterrestres.

Além da entrevista citada no início deste artigo, tivemos outro episódio de contato com extraterrestres através da mediunidade, cito – a entrevista com Goulan, através de Robson Pinheiro; – Ambos episódios, bem como a repercussão, me fizeram ir a campo à procura de algum material que pudesse lançar mais luz sobre o tema. E não foi nada surpreendente encontrar nas pesquisas de Allan Kardec um riquíssimo conteúdo, o qual apresento logo abaixo, para leitura, estudo e reflexão, aos que desejam ir além do que as pessoas dizem e tudo mais. Os textos constam da Revista espírita. Esse periódico, com a função de divulgação da doutrina espírita, foi lançado por Allan Kardec com recursos próprios, em 1º de janeiro de 1858, em Paris. Kardec foi o diretor da revista até o seu falecimento, em 31 de março de 1869. Ele a utilizava para o desenvolvimento e o debate de ideias que seriam, muitas delas, após consolidadas, transferidas para os livros da Codificação Espírita. Após a morte de Kardec, a revista sofreu várias interrupções em sua publicação e em sua distribuição. Por ocasião da realização do Congresso Espírita Mundial, em Cartagena, na Colômbia, em outubro de 2007, todos os direitos de propriedade da revista foram adquiridos pelo (csi), e em nossos dias ela é editada em francês, esperanto, espanhol, inglês, polonês e russo. Eu me atrevo a dizer que os 12 volumes dessa incrível revista (1858 a 1869), de suma importância para o entendimento do espiritismo, são quase desconhecidos pela maioria dos espíritas atuais.

É importante também salientar que não foi somente Kardec que se interessou pelo tema. Antes dele, Margaret Fox, uma das irmãs Fox que deram origem ao espiritismo na América, havia mencionado o assunto. No Brasil, vários médiuns trataram da temática extraterrestre. Chico Xavier, por exemplo, psicografou Cartas de uma morta, pelo espírito de sua mãe, Maria João de Deus, cuja história se passa em Marte; e Crônicas de além-túmulo, pelo espírito Humberto de Campos, em que se narra, no capítulo 24, uma reunião à qual compareceram anciãos da sociedade de Marte, estudiosos de Saturno, cientistas e apóstolos de Júpiter e outros representantes da vida do nosso Sistema Solar. O livro A caminho da Luz, de Emmanuel, que revela como extraterrestres, oriundos de diferentes mundos da Constelação do Cocheiro, chegaram à Terra e se miscigenaram com os habitantes do planeta, impulsionando sua evolução.

Por sua vez, Hercílio Maes recebeu, do espírito Ramatis, a obra A vida no planeta Marte. Nela, Ramatis explica que o marciano não apresenta as mesmas características substanciais do terráqueo, pois, apesar de ter a mesma forma, vibra num plano mais energético que material; seu mundo situa-se num campo vibratório adequado a seu corpo físico, ou seja, é menos material que o nosso. Recentemente, os espíritos de Ângelo Inácio e Júlio Verne, pela psicografia do médium Robson Pinheiro, propuseram um estudo mais amplo sobre o assunto com os livros Os nephilins e Os abduzidos, publicados pela Casa dos Espíritos Editora.

Vamos aos textos de Allan Kardec sobre o assunto! Tenho certeza de que, como eu, vocês irão se encantar com a leitura:

A pluralidade dos mundos habitados

“Se jamais houvéssemos visto um peixe, não poderíamos conceber um ser vivendo na água; não teríamos a menor ideia de sua estrutura… Por que então não admitir que outras formas de vida podem viver em outros planetas, num meio diverso do nosso? Pudemos observar, até agora, que na Lua não vivem seres como nós, mas como não temos conhecimento de suas estruturas, não podemos dizer com certeza se nela existem ou não outros tipos de vida.

[…]

Por meio de simples raciocínio, pudemos chegar, como muitos antes de nós, a uma conclusão favorável à pluralidade dos mundos. Tal raciocínio é confirmado pelas revelações dos espíritos, que nos dizem que os mundos são habitados por seres que podem ser mais ou menos evoluídos que nós… E, ainda mais, hoje sabemos ser possível entrar em contato com eles e obter esclarecimento sobre seu estado. Assim, tudo é povoado no universo. Planetas sólidos, o ar, as entranhas da Terra e até as profundezas etéreas.”

(Revista espírita, março de 1868, p. 65, 66, 67)

“Segundo os espíritos, o planeta Marte seria ainda menos adiantado que a Terra. Os espíritos ali encarnados parecem pertencer quase que exclusivamente à nona classe, a dos espíritos impuros […]. Vários outros pequenos globos estão, com alguns matizes, na mesma categoria. A Terra viria em seguida; a maioria de seus habitantes pertence incontestavelmente a todas as classes da terceira ordem; e uma parte bem menor, às últimas classes da segunda ordem. Os espíritos superiores, os da segunda e da terceira classe, aqui cumprem, algumas vezes, missões de civilização e de progresso, mas constituem exceções. Mercúrio e Saturno vêm depois da Terra. A superioridade numérica dos espíritos bons dá-lhes preponderância sobre os espíritos inferiores, do que resulta uma ordem social mais perfeita, relações menos egoístas e, consequentemente, condições de existência mais felizes. A Lua e Vênus encontram-se mais ou menos no mesmo grau e, sob todos os aspectos, mais adiantados que Mercúrio e Saturno. Juno 18 e Urano seriam ainda superiores a estes últimos. Pode supor-se que os elementos morais desses dois planetas são formados das primeiras classes da terceira ordem e, em sua grande maioria, de espíritos da segunda ordem. Os homens são ali infinitamente mais felizes que na Terra, em razão de não terem de sustentar as mesmas lutas nem sofrer as mesmas tribulações, assim como não se acham expostos às mesmas vicissitudes físicas e morais.”

(Revista espírita, março de 1858, p. 116)

Civilizações Cósmicas e seus diferentes habitantes

Vários artigos foram publicados na Revista espírita descrevendo a realidade da vida de extraterrestres que deram informações, inclusive sobre costumes, moradias, alimentação e meios de transporte e comunicação. Por exemplo, sobre o planeta Júpiter e seus habitantes, há informações quanto à conformação física, que é quase igual à nossa, porém, a densidade de seus corpos é tão pequena que pode ser comparada à dos nossos fluidos imponderáveis, tendo o aspecto vaporoso, imaterial e luminoso, principalmente nos contornos do rosto e da cabeça. Esse brilho magnético é semelhante àquele que os artistas simbolizaram na auréola dos santos. O homem de Júpiter é grande – maior que o terráqueo –, seu desenvolvimento é rápido, e sua infância dura apenas alguns meses. A duração de sua vida equivale a cinco de nossos séculos. Falam ainda sobre a locomoção, que é fácil e obtida pelo esforço de vontade, pois, como a densidade do corpo jupteriano é pouco maior do que a atmosférica, ele se liberta facilmente da atração planetária. Enquanto aqui andamos, eles deslizam pela superfície com a facilidade de um pássaro no ar.

Um jovem literato e médium chamado Victorien Sardou, contemporâneo de Allan Kardec, teve a oportunidade de desenhar cenas que retratam habitações, moradores e cenas do dia a dia da civilização daquele planeta. Teve a orientação do espírito Bernard Palissy – que nasceu em Lacapelle-Biron, na França, em 1510, e faleceu na Bastilha, em Paris, em 1590; portanto, habitou a Terra, onde foi ceramista. Após sua morte, Palissy migrou e se tornou habitante de Júpiter, segundo o próprio Allan Kardec. O mais curioso de tudo isso foi que ele não se deteve em apenas desenhar, mas também falou e explicou que a atmosfera do planeta é diferente da terrestre. Segundo Palissy, a água do planeta é mais etérea, mais parecida com vapor, e a matéria quase não existe como a conhecemos. Algumas plantas assemelham-se às nossas, e existem flores com uma textura tão delicada que são quase transparentes. Com relação às habitações, disse que o material com o qual são construídas as casas de Júpiter funde-se sob a pressão dos dedos humanos, como se fosse neve, e que é um dos materiais mais resistentes do lugar. Trouxe, inclusive, detalhes de como as vidraças são feitas de vidro líquido e colorido, que endurece ao tomar contato com o ar. Dá para imaginar tudo isso, pessoal? Que por serem leves são transportáveis a qualquer lugar do planeta… Ainda de acordo com ele, durante certas épocas do ano, o céu fica obscurecido por uma nuvem de “casas” que vêm de todos os pontos. É um passar ininterrupto de moradias de várias formas, cores e tamanhos. Somente quando finda a temporada, o céu fica livre desses curiosos pássaros. Os jupterianos comunicam-se por telepatia, mas também se utilizam de linguagem articulada quando em contato com seres de outros orbes. A segunda visão, ou clarividência, é permanente. O estado rotineiro deles pode ser comparado ao de um ”sonâmbulo lúcido”, e é por isso que podem comunicar-se conosco com uma facilidade maior que habitantes de mundos mais grossos e materiais.

Allan Kardec evoca extraterrestres para responder perguntas

A seguir, destacamos os temas das perguntas feitas por Allan Kardec ao espírito de Bernard Palissy, pelo método da evocação, através da mediunidade de Victorien Sardou. Os textos do estudo completo estão no primeiro volume da Revista espírita (ano I, 1858, FEB) disponível para download gratuito no site da FEB. O conteúdo pode ser encontrado nas edições dos meses de março, abril e agosto desse primeiro volume, de acordo com as seguintes temáticas:

 Março:

- Pluralidade dos mundos (p. 109);

- Júpiter e alguns outros mundos (p. 112).

Abril:

- Descrição de Júpiter (p. 171);

Agosto:

- Habitações do planeta Júpiter (p. 347).

Kardec faz diversos questionamentos ao espírito Bernard Palissy sobre a vida em Júpiter, composição física do planeta, dos habitantes, dos animais, estado moral, entre outros. Recomendamos a leitura das partes indicadas acima para entender na íntegra o diálogo.

Para estudos complementares sobre vida extraterrestre, transição planetária, mediunidade e assuntos correlacionados, sugerimos a leitura das obras de Robson Pinheiro, Mônica de Medeiros, André Luiz Ruiz, Pedro de Campos, C. R. Wells e outros autores.

Há ainda um imenso edifício por se construir. Aprofunde o conhecimento destes e outros temas nos estudos mensais do Colegiado de Guardiões. Venha você também fazer parte deste grupo que cresce mundialmente. Acesse a página do curso e inscreva-se aqui!

Marcos Leão

Eu acredito nesse artigo desse cara Marcos Leão!!

Que todos vcs sejam abençoado por nosso Deus pai!!! Amem!!

Denn Pires

Compreenda por que a família é sagrada!

Por Denn Pires há 2 dias

Compreenda por que a família é sagrada!

Ninguém jamais destruirá a força da família por ser ela uma instituição divina

Concílio Vaticano II chamou a família de “a Igreja doméstica” (LG, 11) onde Deus reside, é reconhecido, amado, adorado e servido; e ensinou que: “A salvação da pessoa e da sociedade humana estão intimamente ligadas à condição feliz da comunidade conjugal e familiar” (GS, 47).

Jesus habita com a família cristã, nascida no Sacramento do Matrimônio. A sua presença nas Bodas de Caná da Galiléia significa que o Senhor “quer estar no meio da família”, ajudando-a a vencer todos os seus desafios.

Desde que Deus desejou criar o homem e a mulher “à sua imagem e semelhança” (Gen 1,26), Ele os quis “em família”. Tal qual o próprio Deus que é uma Família em três Pessoas Divinas, assim também o homem, criado à imagem do seu Criador, deveria viver numa família, numa comunidade de amor, já que ‘Deus é amor’ (1 Jo 4,8) e o homem lhe é semelhante.

Quem não experimentou amor em casa terá dificuldade para conhecê-lo fora

A família é o eixo da humanidade, é a sua pedra angular. O futuro da sociedade e da Igreja passam inexoravelmente por ela. É ali que os filhos e os pais devem ser felizes. Quem não experimentou o amor no seio do lar terá dificuldade para conhecê-lo fora dele.

A família é a comunidade na qual, desde a infância, se podem assimilar os valores morais, em que se pode começar a honrar a Deus e a usar corretamente da liberdade. A vida em família é iniciação para a vida em sociedade” (CIC, 2207).

Depois de ter criado a mulher “da costela do homem” (Gen 1, 21), a levou para ele. Este, ao vê-la, suspirou de alegria: “Eis agora aqui, disse o homem, o osso dos meus ossos e a carne de minha carne; ela se chamará mulher…” (Gen 1, 23). Após esta declaração de amor tão profunda – a primeira na história da humanidade – Deus, então, mostra-lhes toda a profundidade da vida conjugal: “Por isso o homem deixa o seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher; e já não são mais que uma só carne” (Gen 1, 24).

Depois de criar o homem e a mulher, Deus lhes disse: “Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai…” (Gen 1, 28).

Este é o desígnio de Deus para o homem e para a mulher, juntos, em família: crescer, multiplicar, encher a terra, submetê-la. E para isso Deus deu ao homem a inteligência para projetar e as mãos para construir o seu projeto.

Deus vive no lar nascido de um matrimônio

Nestas palavras de Deus: “crescei e multiplicai-vos” encerra-se todo o sentido da vida conjugal e familiar. Desta forma, Deus constituiu a família humana, a partir do casal, para durar para sempre, por isso, A FAMÍLIA É SAGRADA!

Vemos aí também a dignidade, baseada no amor mútuo, que levam o homem e a mulher a deixarem a própria casa paterna, para se dedicarem um ao outro totalmente. Este amor é tão profundo que dos dois faz-se um só, “uma só carne”, para que possam juntos realizar um grande projeto comum: a família.

Daí podemos ver que sem o matrimônio forte e santo, não é possível termos uma família forte e santa, segundo o desejo do coração de Deus. Tudo isto mostra como Deus está implicado nesta união absoluta do homem com a mulher, de onde vai surgir, então, a família. Por isso não há poder humano que possa eliminar a presença de Deus no matrimônio e na família. Deus vive no lar nascido de um matrimônio.

Isto nos faz entender que a celebração do Sacramento do Matrimônio é garantia da presença de Jesus no lar ali nascente. Como é doloroso perceber hoje que muitos jovens, nascidos em famílias católicas, já não valorizam mais este sacramento e acham, por ignorância religiosa, que já não é importante subir ao altar para começar uma família!

Toda esta reflexão nos leva a concluir que cada homem e cada mulher que deixam o pai e a mãe para se unirem em matrimônio e constituir uma nova família não o podem fazer leviana-mente, mas devem fazê-lo somente por um autêntico amor, que não é uma entrega passageira, mas uma doação definitiva, absoluta, total, até a morte.

Marcada pelo sinete divino, a família, em todos os povos, atravessou todos os tempos e chegou inteira até nós, no século XXI. Só uma instituição de Deus tem esta força. Ninguém jamais destruirá a força da família por ser ela uma instituição divina.

Deus abençoe vocês!

Mais não quero nenhum espirito e pessoas fazendo uma lavagem mental em mim!!! ok

Não é pecado mortal pensa e dizer isso. Amem!!