Aldo Pereira

Não controla a bexiga, mas quer controlar a vida?

Por Aldo Pereira há 8 horas

O humano é o castigo do espírito. Acha que o castigo vai ter livre arbítrio? Quem tem livre arbítrio é o espírito, não o ser humano. Lembre-se, você não é um humano. O espírito tem dois livres arbítrios. Com o primeiro escolhe antes da encarnação as suas provas. Ele diz assim antes da encarnação: “quero passar por isso, por isso, por aquilo, por aquilo”. Usando-o traça todo seu destino, o que você quer mudar agora. Em O Livro dos Espíritos esta questão está bem clara: o destino não pode ser mudado depois da encarnação. Só que depois de encarnado o ser recebe um segundo livre arbítrio. Enquanto está vivendo o que pediu, ele tem a liberdade de optar entre o bem e o mal. Ou seja, ele é livre para amar a Deus sobre todas as coisas ou de agir de uma forma egoísta. É este segundo que pode mudar alguma coisa na sua vida. Você não pode mudar ato, mas pode mudar a forma de viver os atos escolhendo entre o bem e o mal.

Participante: então, tá. Uma criança de cinco anos, brincando sem querer com a arma, mata um coleguinha. No caso, isso seria escolha de quem morreu? Com cinco anos não tem conhecimento para não brincar com a arma, mas, amadurecido, com trinta anos, não faria isso. Só quero lhe fazer uma pergunta: quem é uma criança? Um ser puro e angelical? Não, um espírito velho. Não existe criança. O que existe são espíritos encarnados e reencarnados que vivem determinadas coisas. Dentro do seu exemplo, será que de posse de sua consciência espiritual velha a vítima não pediu para levar um tiro com cinco anos? Para poderem ser aprovados por Cristo vocês precisam se desapegar das coisas humanas. Não existe criança, não existe espírito vivo encarnando a primeira vez. O que existe é espírito velho, encarnando há pelo menos sete mil anos, entrando e saindo da vida humana e fazendo besteiras em todas as vezes que veio à carne. Por isso, nada acontece a uma criança, a um anjinho. Todas as situações do mundo humano são vividas por espíritos que possuem carmas, que já fizeram por onde merecer o que estão passando. Por isso, você não precisa se chocar quando uma criança pegar uma arma e der um tiro no outro. Aquilo, com certeza – eu não gosto de falar em ajuste de contas, porque vocês vão achar que é um espírito com outro, quando não é – é o resultado da plantação de um ser na sua existência eterna. Ele está ajustando o que fez no passado a esse ou outro ser. Quanto ao fato de não fazer depois de maduro, quem disse que ele não faria? Você está partindo de um pressuposto estranho, está falando como se conseguisse comandar a sua vida. Você vive só o que quer? Só acontece o que quer? Claro que não.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

A luta é contra sua hipocrisia.

Por Aldo Pereira há 1 dia

Vocês criticam os pastores que envolvem o pedido de dinheiro com os cultos a Deus. Sim, isso é fazer mercado com as coisas de Deus, mas quem faz troca de favores dentro dos locais sagrados, quem vai aos centros, as igrejas, pedir favores a Deus em troca de 

promessas ou de amor também não está fazendo mercado com Deus? Vocês vão aos templos e centros pedir a Deus: “Me salva pelo amor de Deus. Eu juro que nunca mais faço isso”. Isso não é um negócio? Não se faz negócio na casa do meu pai. Essa lição vocês esquecem porque estão preocupados em criticar os outros e em atribuir valores a atos físicos. O importante não é o ato, mas entender o ensinamento de Cristo. Aliás, esse aspecto do ensinamento do mestre fica mais forte se você ler o que ele quando da transmissão da oração ‘Pai Nosso’. Ele diz assim: “quando você for rezar, não faça como os hipócritas que ficam pedindo coisas”. Pelo que eu saiba, vocês só sabem rezar para pedir alguma coisa em benefício próprio, não é mesmo? Mas, como reagir frente as adversidades da vida se não podemos rezar a Deus pedindo o fim delas? Fazendo o que Cristo ensinou da Santa Ceia, quando sabia que o a cruz estava perto: “sinto uma grande aflição, mas o que vou dizer? Pai, afasta de mim esse cálice? Mas, eu nasci para isso. Pai, glorifica seu nome através de mim”.Cristo já ensinou que não basta rezar, praticar mediunidade, dar passe, trabalhar em centro, igreja ou templo se espera alguns coisa, mesmo que seja a evolução espiritual por esse trabalho. Ele advertiu: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus"

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Evoluir é mudar-se

Por Aldo Pereira há 2 dias

Evoluir não é fazer caridade ou isso ou aquilo. Não se trata de atos. Cristo foi bem claro: o importante não é o que sai da boca, mas o que sai do coração. Quando faz a caridade porque acha certo, está fazendo com o coração preso no egoísmo, está fazendo para ganhar. Nesse caso não fez por Deus, mas por você mesmo. Portanto, não se preocupe com atos, mas sim com o coração. Preocupe-se em estar em paz e harmonia com todos, em estar amando a Deus sob todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Digo isso porque esses são os dois e únicos maiores mandamentos que você tem que seguir. Por esse motivo lhe digo: não importa o que faça; o importante é que em seu coração, por dentro, ame a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

O Buda ensina uma coisa chamada interdependência – um depende do outro. Sendo assim, se um ser encarnado no seu ciclo de amizade precisa, por exemplo, de uma prova de ser criticado, você terá que criticá-lo. Essa é a única forma dele ter a sua prova. Você precisa tornar-se agente daquela ação para que ele tenha a prova dele, já que isso foi escolhido lá em cima, antes da encarnação. É por isso que você não pode mudar os atos, porque tem outro espírito encarnado que precisa daquela ação sua. No entanto, quando muda o seu mundo interno, não importando o que pratica, vive liberto da sensação do prazer ou da dor. Agora, depois da mudança interna, aquilo que lhe causava sofrimento, não causa mais.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Despossuir.

Por Aldo Pereira há 3 dias

Você é um espírito, não um humano e nasceu para fazer a reforma íntima, por isso vai precisar abrir mão de alguma coisa que está apegado ou acredita hoje. Se não fizer isso, não muda. Alguém aqui está disposto a abrir mão de alguma coisa que possua? Mas, é preciso para que haja mudança. O caminho para a reforma é o despossuir, o abrir mão de coisas. Só que quando falo que têm que abrir mão, não estou falando que têm que pegar tudo que possuem e entregar ao bispo, ao pastor. Não é isso que estou dizendo. Ter e possuir são coisas bem diferentes. Alguém sabe a diferença entre ter e possuir? Só que a dependência do espírito que se acredita humano vai muito além. Ele depende de muitas coisas nessa vida das quais precisam se libertar para poder realizar a reforma. Por exemplo: alguém aqui aceita ser desrespeitado? Não? Por que? Porque vocês dependem de ser respeitado. Por isso posso dizer que vocês possuem a necessidade do ser respeitado. Esse respeito que quer que os outros tenham por você é um bem material, é uma coisa que só pertence à Terra. Digo isso porque está sendo defendida a honra humana. Isso é humano: o ser espiritual não se preocupa em defender a sua honra. Por isso, é preciso abrir mão disso também para promover a reforma. Se lhe desrespeitarem o que você deve fazer? Segundo o seu Cristo, oferecer a outra face. Alguém aqui tem coragem? Como falei, os ensinamentos dos mestres têm que ser um guia para se viver. Por isso, se alguém lhe desrespeita, ofereça a outra face. Se alguém passa na sua frente no emprego, como é que você fica? Feliz? Claro que não. O que é esse sofrimento senão uma dependência da promoção? Essa questão precisa ser muito debatida e muito bem 

conversada. Normalmente, escondem estas afirmações de vocês, não é verdade? Não amealhe bens na Terra: isso está lá no Novo Testamento. Só que o cristão vive o dia inteiro preocupado em amealhar o bem material. Não estou falando apenas de objetos, mas preocupado com a saúde financeira, com a saúde física, com um lugar para morar, com o que vai comer e vestir. Aí ele lembra que tem o terreiro, o centro espírita às quartas e a missa aos domingos e diz: eu preciso ir lá porque sou cristão. Não é assim que vocês vivem?

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Caridade é mais, muito mais.

Por Aldo Pereira há 4 dias

Quando começamos a frequentar um centro, igreja ou templo, somos tocados pela necessidade da caridade. Isso é pregado por praticamente todos os palestrantes, padres e pastores. Assim com frequência o "exercício" da caridade é feito com a compra de cartões de feijoada, filé ou na participação junto a entidades. Iniciativas importantes e necessárias, mas "esquecem" de te avisar qual é a verdadeira caridade pregada por Cristo e como se deve entender a caridade. Tomando iniciativas "caridosas" com o objetivo de ir para o céu, conquistar elevação espiritual, já significa um "fracasso". Está fazendo com um objetivo. Para receber algo em troca. Como diz o espirito da verdade: O ato é nada, a intenção tudo. Se a intenção é ganhar, mesmo sendo algo espiritual, o ato é nulo. Já ganhou. O mesmo espírito da verdade responde de forma clara a verdadeira caridade nessa pergunta de Kardec:

Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade,como a entendia Jesus?

— Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições alheias, perdão das ofensas.

Não existe nenhum problema na ajuda material, nas doações, nos trabalhos voluntários, inclusive a mediunidade, mas se faltar benevolência, indulgência e perdão, não é caridade. Pode ser qualquer coisa. Pode até ser caridade para o ego humano, mas não é a caridade pregada por Cristo.

Como a caridade pregada machuca o ego, conflita com oque a sociedade prega, nos apegamos naquilo que ela aplaude. Se for caridoso, como ensina Cristo, será chamado de bobão, apático, negligente com os problemas e nesse caso, muitos viram as costas para Deus, para encarar a sociedade de frente. Ou seja, sacrifica o eterno pelo perecível. Leiam as bem aventuranças. 

Um abraço.

Aldo Pereira

A cultura inútil.

Por Aldo Pereira há 1 semana

Alguém aqui já ouviu falar em um tal de Cristo? Alguém aqui reconhece Cristo como Mestre? Então, eu poderia dizer que vocês 

são cristãos, não? Vocês seguem Cristo; é isso? Que bom. Agora, será que seguem mesmo? Vamos ver se sim?

O que é seguir Cristo? O que é ser cristão? Será que ser cristão é carregar uma cruzinha em uma corrente? Acho que não... 

Então, o que é ser cristão? O que é aceitar Cristo como seu Mestre? Alguém saberia me dizer? Viver segundo os ensinamentos de Cristo, sim. Mas, quando viver segundo os ensinamentos desse mestre? O dia inteiro. Isso é ser cristão: seguir os ensinamentos de Cristo o tempo todo. Agora, o que é seguir Cristo? É viver como Ele ensinou a viver. Isso é seguir Cristo. É assim que vivem? Acho que não... Vocês têm momentos de cristãos. Esses momentos são quando vão ao centro na quarta-feira ou a missa no domingo. Este é o horário que têm para Deus. Vocês possuem um horário para seguir Cristo. E no resto do tempo, o que fazem? Não adianta nada se dizer cristão e durante o dia nem lembrar que existe um Cristo. Ou melhor, não lembrar dos ensinamentos, pois de Cristo vocês não esquecem. Toda hora estão pedindo alguma coisa a ele: “me ajuda”, “me protege”, “me salva”. Esquecem o que ele ensinou, mas não se esquecem de pedir. É por isso que tem uma passagem na Bíblia, onde Cristo diz assim: nem todos que chamarem senhor, senhor eu falarei por eles junto ao meu Pai. Por aqueles que exclamam senhor, senhor apenas na hora de sua religiosidade Cristo não vai falar. Esse falar por que está no ensinamento quer dizer que Cristo reconhece que esse foi aprovado, honrou a sua encarnação. Reconhece que esse fez o seu trabalho de elevação.

Realizar o trabalho de uma encarnação requer muito mais do que ter religiosidade. Precisa muito mais do que se dizer cristão, hindu, budista, ou religioso de qualquer outra religião. É preciso muito mais que isso para que se possa honrar os compromissos assumidos antes da encarnação.

Qual é a primeira coisa que você precisa fazer para se dizer cristão? Saber que não é um ser humano que tem experiências espirituais, mas um espírito que tem experiências materiais, que está vivendo uma experiência material. Esse é o ponto de partida. É preciso mudar a forma de se ver. O que é que adianta dizer que é espírita, que acredita em espírito, que sabe que existe encarnação e reencarnação se quando chega na hora H, no dia a dia, vive como qualquer outro ser humano que não acredita?

Todos os mestres foram unânimes em poucos pontos, mas tem um que eles foram: o apego à letra fria. “Ah, eu conheço a Bíblia de cor, os sutras de cor, o Bhagavad Gita”. E daí? O que é que adianta conhecer tudo isso, se não vive o que está escrito lá? Se aquilo para você é apenas um texto escrito bonito que usa para mostrar o quanto é sábio? Ou seja, para se promover junto aos outros.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Opte por não sofrer.

Por Aldo Pereira há 1 semana

O trabalho do não sofrimento é praticamente impossível para as pessoas que querem suprir os seus anseios materiais, ou seja, alcançar todos os aspectos que a moderna sociedade humana diz que devemos ter durante a vida. Para aquelas pessoas que estão preocupadas com a auto estima, que priorizam o chamado amor próprio, que estão preocupadas em serem bem tratadas e reconhecidas como certas e sábias, eu digo: não façam este trabalho...

Quem busca viver o não-sofrimento precisa, antes de tudo, estar despojado destes apelos da moderna vida humana. Por quê? Porque este estado será o resultado da luta de você contra você mesmo... Será que é possível lutar contra si mesmo e ainda assim sentir o amor próprio como ele é vivenciado pela sociedade humana, ou seja, pela exaltação a si mesmo?

Isso é impossível, pois para se alcançar o não sofrimento é preciso ferir exatamente o amor próprio que a sociedade humana recomenda. Isso porque o amor próprio ensinado pela humanidade é o enaltecimento, enquanto que o estado do não-sofrimento só é alcançado com o não enaltecimento. Para você se libertar de si mesmo é preciso não se enaltecer. Como se libertar do sofrimento se ele é vivenciado não pelo que os outros dizem, mas por sua vontade de querer estar certo? Impossível... Esta é a dinâmica do não-sofrimento: olhar para dentro de você e observar que está exigindo que o mundo esteja do jeito que quer e isso não pode acontecer, pois o mundo vive o mundo. Portanto, quem espera que estas coisas aconteçam para que ele seja feliz, vai ter que esperar sentado, pois a sua felicidade dependerá de muitos fatores externos que são incontroláveis por nós.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Confiar em entidades, orixás, mentores?

Por Aldo Pereira há 1 semana

Claro que não. Gosto de ver pessoas que batem no peito dizendo que são filhos de Ogum e por isso não caem e quando veem estão no chão. Se bastasse apenas ser filho de um orixá para não cair, ao invés de procurar a sua reforma interior, bastava ao espírito encarnado pedir a um dos mentores para lhe adotar. Não dá para confiar que as entidades vão fazer o que querem. Se não trabalharem esses dois pontos, nem Deus nem entidade alguma lhes dará o que querem, estarão sempre esperando. Estarão sempre imaginado que porque foram ao centro, ao templo, a igreja está resolvido os seus problemas. Pensando assim, não trabalham 

dentro de si na busca do estado de ânimo de fazer a conciliação com o outro. Sim, ainda estou falando em conciliação. O grande problema porque vocês não aceitam perder é porque imaginam que Deus lhes dará tudo o que querem. Que a entidade lhes dará tudo. Para isso, imaginam que basta ir ao centro e fazer uma oração ou acender uma vela em casa. Se fizerem isso, apenas estarão dando dinheiro a quem faz vela. Lembrem-se que Deus ensinou claramente: Deus dá a cada um segundo as suas obras. Portanto, se não baterem, a porta não se abrirá. Mais: se baterem com a esperança que ela abra, que você alcance o que quer, também não será aberta, pois houve um egoísmo no bater e não entrega. Portanto, para que o ser humanizado chegue à consciência de conciliar-se, para que ele aceite perder, é preciso destruir a fé que

possuem, não a verdadeira, em Deus e nos guias e mentores. Se esse ser não a destrói, não aceitará perder. Pelo contrário: continuará 

a acender vela para ele passar no concurso. Quanto àquele que tem cinco filhos e que precisa desesperadamente passar no concurso, para aquele que vive com a fé que vocês possuem hoje, que se dane.

Espiritualismo ecumênico universal

Obs. A entidade pode até dizer que fará, mas não faz. Porque? 

Para provar o espírito encarnado. Para saber se o seu amor é incondicional ou se está "amando" quem lhe protege, dá oque você quer. Lhe agrada.

Também existem as entidades, ainda ligadas a um ego humano que acham que fazem. Vivem ainda com valores materiais.

Se elas não fazem, quem faz? Pode até responder nos comentários. Quem faz?

Aldo Pereira

Assuma

Por Aldo Pereira há 1 semana

Preciso ir no centro tomar um passe, fazer alguma coisa, sou uma esponja "pego" tudo dos outros. Que? Pega dos outros? Quer dizer que o universo não é feito de afinidades? Que não é dado a cada um segundo as suas obras? Os que estão contigo, são aqueles que tem o mesmo sentimento. É "aquele" que se afina com oque você gosta ou odeia. Isso tem a ver com você e não com os outros. A responsabilidade é toda sua e acontece por "N" motivos. Tudo que está com você é por você. Se sua energia for "Y" jamais vai atrair energia "Z". O espírito se "alimenta" de sentimentos, portando, ele só estará ao seu lado, enquanto tiver algo a oferecer. Não é porque você é médium, tem maior sensibilidade e tal, mas sim por comungar do mesmo sentimento do espírito e isso não tem nada a ver em estar com os outros. Enquanto for sempre os outros. Enquanto não admitir que precisa se mudar, em sentimentos, não em atos, sempre estará buscando culpados. É tudo com você.

Aldo Pereira

Deu errado, graças a Deus.

Por Aldo Pereira há 1 semana

Não aceitem que Deus é bom, que é justo e que tudo acabará bem, porque não vai. Pode até coincidentemente acabar como vocês esperavam, mas se isso acontecer, não passou de acaso. Digo isso porque o transcorrer da vida só acaba de acordo com o esperado para um, mas não acontece assim para outros cem. Por isso essa é a mensagem que precisamos levar. Quando alguém for a uma atividade da sangha dizendo que veio pedir uma ajuda, não atenda. O verdadeiro espiritualista não aceita a ideia de que pode ajudar alguém. Estou falando ajudar no sentido que a pessoa vai esperando: a solução dos seus problemas, agir para que o sonho dela se realize. 

O verdadeiro espiritualista ajuda o próximo, claro, mas de outra forma. Como? Mostrando um caminho onde o ser que sofre aprenda a viver a realidade. 

 Vocês vivem uma vida ilusória. Imaginam que estão protegidos, que nada lhes acontecerá, que seus parentes viverão a eternidade ao seu lado neste planeta, que nada acontecerá com seus filhos. Tudo isso é ilusão, pois qualquer coisa pode acontecer com qualquer um.

Com isso, não estou querendo dizer que irão acontecer coisas com você e seus parentes. O que estou querendo é que você acorde para a realidade: pode acontecer. É preciso se estar preparado para que se ocorrer você não seja pego desprevenido e acabe sofrendo. E a primeira preparação para isso é saber que não existe um Deus que vá fazer a sua vida ficar boa. ‘Ah, mas eu conheço gente que foi a uma igreja ou um centro, pediu e recebeu’. Sim, isso acontece, mas quantas vão lá e não conseguem o que querem? Isso os seres humanizados não reparam, não é mesmo?

Sim, os seguidores de algumas religiões acreditam que existem os carmas, mas na vida dos outros. Na vida deles, ainda acreditam que é o vizinho que não o respeita e que por isso coloca a música alta, que é o bandido que não presta porque lhe rouba. É por isso que estou dizendo que não adianta só estudar. Você pode saber que existe a lei do carma, que a sua vida atual é fruto de suas ações em outras, mas se chegar em casa e sua mulher não tiver preparado a janta vai brigar com ela. Não lembrará nunca que é o seu carma.

Espiritualismo ecumênico universal