Aldo Pereira

Festar, dançar e beber com Deus.

Por Aldo Pereira há 6 horas

O espiritualista vai à festa e se diverte, mas se não tiver festa, ele se diverte onde estiver. Já o materialista, aquele que depende das coisas materiais para ser feliz, se gosta de festa e não tem, ele vive a contrariedade. O espiritualista bebe, mas se não tiver bebida, não sofre por isso. O espiritualista canta, dança, faz tudo o que todo ser humano faz: a única coisa que ele não vive é condições necessárias, obrigações e necessidades. Portanto, se você está numa festa, festeje! Festeje ali, brinque, porque aquela festa é Deus. Sendo assim, quando festeja a festa, está com Deus. Agora, se você quiser estar numa festa dando uma de moralista, dizendo que aquela pessoa não deveria estar bebendo, mas sim rezando, você não está com Deus, pois Deus é a pessoa que bebe e a bebida que está sendo bebida. Deus é a pessoa que pula e os pulos que a pessoa dá. Já digo isso há muito tempo: a elevação espiritual se consiste na harmonia com a vida que se tem a cada momento. Se o seu momento é festejar, harmonize-se com a festa que tem. Não saia julgando os outros com padrões moralistas, que fazer isso nada tem a ver com Deus. Esse que é o detalhe: é preciso aprender a viver com o que você tem.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

O "mal" mora no seu egoísmo.

Por Aldo Pereira há 1 dia

O primeiro grande problema é que as mentes humanas que transmitem ensinamentos espirituais querem ganhar já, receber já. Só vive a ideia de estar vivenciando o mal quem quer ganhar agora. Por isso, quando uma mente humana transmite ensinamentos que afirmam que há momentos maus que devem ser evitados, ela está usando estes ensinamentos para ganhar nessa vida. Esse é o primeiro aspecto que você precisa estar atento. Segundo detalhe que você precisa estar atento é que a mente humana ao transmitir ensinamentos se utiliza de pontos de vista humanos, pontos de vista que priorizam a coisa humana. O exemplo disso é questão da mãe, do amor maternal dentro do ponto de vista humano...

O amor maternal é algo considerado como sublime pela humanidade, como uma coisa santa, sagrada, mas essa visão não é real dentro do ponto de vista espiritual. Tanto não é que quando o Espírito da Verdade responde a uma pergunta sobre a preocupação que tem aqueles que desencarnam a respeito do sofrimento dos que ficam diz: realmente os espírito se preocupam com o sofrimento dos que ficam, mas isso acontece de acordo como grau de elevação de cada espírito. O mentor do espiritismo afirma categoricamente: quanto menos elevado o espírito, mais preocupado ele está com sofrimento de quem fica.

É a partir desta informação que digo que aquela figura da mãe enaltecida pelas mentes humanas, aquela que vai para o outro mundo e se preocupa com filho que ficou, para os espíritos não é tratada como uma pessoa santa. Para nós, ela não vive um amor, mas sim uma possessão. Essa mãe para os espíritos totalmente libertos da matéria não é uma santa mãezinha, mas um obsessor.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Andando em círculos

Por Aldo Pereira há 4 dias

Sabe porque a humanidade não abre os ouvidos para os ensinamentos dos mestres, mas sim para os médiuns, humanos que falam dos ensinamentos apegados à ganhar nesta vida? Porque são humanos. Eles preferem esses ensinamentos porque querem ganhar já, logo. Porque querem ter o prazer, a satisfação de ver seus desejos atendidos. Porque querem ser reconhecidos, admirados, paparicados. Porque querem o elogio, querem que digam a ele que está certo aqui e não na outra vida. É por isso que as pessoas se aprofundam nos ismos que você falou ao invés de buscarem ensinamentos para fazerem uma reforma, uma transformação em si mesmo. O que elas estão buscando nas religiões é cultura para tornarem-se sábios e com isso poderem cantar vitória sobre os outros. Uma das grandes provas do espírito encarnado que exerce o papel de doutrinador, de transmissor dos ensinamentos, seja como médium ou palestrante, é justamente a idolatria. O problema é que todos querem ser idolatrados. É por isso que vocês vivem buscando em milhares de fontes respostas que já têm. Pare de procurar informações e vá viver a sua vida amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

Como disse Cristo: "Tudo está consumado"

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

As provas não são materiais.

Por Aldo Pereira há 5 dias

A prova do espírito não se consiste em ter ou deixar de ter. O ser universal não é avaliado pelo que tem ou pelas carências que vive. A prova do espírito está focada no desejo, ou seja, não importa se tenha algo ou não, o que importa é como vive com ele mesmo.

Se o ser humanizado tem e não deseja mais nada, está bem; se não tem e não deseja mais nada também está bem. Agora, se ele não tem ou se tem e quer mais, esse é o problema.

Por isso lhe dou um conselho: você não pode generalizar. Não pode dizer que a prova da riqueza é maior ou mais difícil do que a da pobreza. Isso porque tem muito rico que vive em paz e felicidade com o que tem e a maioria dos pobres não conseguem viver assim.

Lembro que no estudo de O Livro dos Espíritos eu disse assim: a prova do rico é mais dura porque tem mais opções para desejar, mas a prova do pobre também é muito dura, porque ele sonha em ter. Esse é o problema.

Você está avaliando provas pelo mundo externo, pelo que o ser humano tem ou deixa de ter, quando na verdade ela se consiste na forma com que o ser encarnado convive com o que tem ou não. Portanto, se você não tem e não deseja ter, está em paz e harmonizado. Se tem e quer ter mais, não está satisfeito com o que tem, não está harmonizado. Esta é a diferença.

Apenas complementando: coitado do medianeiro. Falo assim porque neste mundo aquele que não tem coisas e não tem condições para ter, acaba se resignando em não ter. Já aquele que está no meio do caminho acha que viver como rico é bom. Por isso tem muito desejo de ter. Portanto, a prova do medianeiro é pior do que quem não tem ou que tem.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Espíritas

Por Aldo Pereira há 6 dias

Entre os que adotam as idéias espíritas, há, como sabeis, três categorias bem distintas:

1a ) - Os que crêem pura e simplesmente nos fenômenos das manifestações, mas que não

lhes deduzem nenhuma conseqüência moral;

2ª) - Os que vêem o lado moral, mas o aplicam aos outros e não a si próprios;

3ª) - Os que aceitam para si mesmos todas as conseqüências da Doutrina, e que praticam

ou se esforçam por praticar a sua moral.

Estes, vós bem o sabeis, são os verdadeiros espíritas, os espíritas cristãos. Esta distinção é importante, porque explica bem as anomalias aparentes. Sem isso seria difícil compreender-se

a conduta de certas pessoas. Ora, o que reza esta moral? Amai-vos uns aos outros; perdoai aos vossos inimigos; retribuí o mal com o bem; não tenhais ódio, nem rancor, nem animosidade, nem inveja, nem ciúme; sede severos para convosco mesmos e indulgentes para com os outros. Tais devem ser os sentimentos de um verdadeiro espírita, daquele que vê o fundo e não a forma, que põe o Espírito acima da matéria; este pode ter inimigos, mas não é inimigo de ninguém, pois não deseja o mal a ninguém e, com mais forte razão, não procura fazer o mal a quem quer que seja. O Espiritismo tem por divisa: Fora da caridade não há salvação, o que significa dizer: Fora da caridade não há verdadeiros espíritas. Concito-vos a inscrever, doravante, esta dupla máxima

em vossa bandeira, porque ela resume ao mesmo tempo a finalidade do Espiritismo e o dever

que ele impõe.

Allan Kardec, A viagem espírita de 1862.

Aldo Pereira

Fé não é garantia.

Por Aldo Pereira há 1 semana

A fé não tem nada a ver com aceite, com acreditar. A fé tem a ver com entrega com confiança. 

No mundo espiritual se diz que dois mais dois dificilmente dá quatro. Ou seja, a cura não ocorre por essa, aquela ou aquela outra razão. Isso quer dizer que quem tem fé não será necessariamente curado. Este poderá ser curado, não que necessariamente será.

Então, quem tem fé, por essa confiança que tem, não se preocupa em conseguir o que quer. Ele apenas se entrega. Ele diz: ‘eu confio em você, mas se vai acontecer o que estou prevendo, não sei’. Por isso digo que muitas vezes o não curar também é fruto da fé.

Sei que para vocês é difícil de compreender o que estou dizendo, pois acham que qualquer coisa tem que dar determinado resultado para poder ser certa, mas nem sempre o resultado que você espera é o certo. Muitas vezes pode não dar o resultado que você quer, mas tudo estar certo...

Afirmo isso porque se Deus é a Causa Primária de todas as coisas e a Justiça, posso dizer que qualquer resultado que advenha de uma ação será certa. Mais do que isso, será aquilo que for merecido.

Acho que compliquei sua cabeça, mas a resposta seria essa.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Sexo.

Por Aldo Pereira há 1 semana

Qual a visão espírita ou espiritualista sobre o sexo?

Aí depende. Se for daquele ligado a federações, confederações ou publicações baseadas em conceitos humanos, é a relação divina entre duas pessoas que estará oportunizando a encarnação de um espírito para "viver" o seu processo de elevação. Também pode ser, para essas mesmas pessoas, algo baixo, "pecaminoso" e que trará consequências para a encarnação futura. Isso para quem ainda está trazendo uma "realidade" espiritual, mas baseado em valores da terra. E para os espíritos?

Como uma prova, missão ou expiação. Espírito tem sexo, membros, prazer? Não. Se isso é verdade, um espírito não faz sexo, mas se liga a um ego, uma consciência humana, que passa para ele "sugestões" de sentimentos. Só isso. 

Vamos analisar a luz da razão.

O sexo divino, como dizem, é a oportunidade de uma nova encarnação para um espírito, não é assim? E o sexo feito de outra forma e que gera um novo ser, também não é uma nova oportunidade? Quer dizer se sexo que gera uma "vida" dentro daquilo que chamam de amor é nobre e outras é "demoníaca? Mas ambos não estão cumprindo a mesma finalidade? Partindo desse raciocínio podemos concluir que o sexo para o espírito é : uma prova, missão ou expiação, mais nada. Na verdade, espírito nem faz sexo. Livro dos espíritos: 

200. Os Espíritos têm sexo?

— Não como o entendeis, porque os sexos dependem da constituição orgânica. Há entre eles amor e simpatia, mas baseados na afinidade de sentimentos. 

Aldo Pereira

Quando ocorre uma obsessão?

Por Aldo Pereira há 1 semana

Quando existem espíritos no mesmo grau de elevação se intercomunicando, ou seja, quando existem espíritos que se harmonizam porque possuem realidades, paixões e desejos semelhantes ( não é um "ruim" interferindo na vida de um "bom") eles são semelhantes. Então, o que é a obsessão? É uma comunhão de egos que faz com que espíritos interajam dentro de realidades ilusórias que são frutos de suas paixões e desejos. A obsessão não é, portanto, um ego agindo sobre o outro, como se costuma imaginar, mas espíritos ligados a egos semelhantes que se comunicam e se confraternizam por estarem no mesmo padrão vibracional, ou seja, por vivenciarem paixões e desejos semelhantes. Por exemplo. Se um encarnado é obsediado por outro espírito (dentro ou fora da carne) para beber compulsivamente é porque ele tem no seu ego esta paixão e este desejo de beber.

A obsessão, portanto, acontece porque desejo com desejo igual se junta. Nada mais do que isso.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Incapacidade

Por Aldo Pereira há 1 semana

Vocês dizem que a terra é um mundo de provas e expiações. Pelo menos é oque com muita frequência vocês verbalizam. Se acreditam, não serei eu a julgar. Se isso é verdade, oque seriam os acontecimentos que chamam de vida? Evidentemente que são provas ou expiações. Nada mais que isso. São provas a serem cumpridas ou faltas a serem vivenciadas, mas dentro da Interdependência das coisas, cada espírito contribuí com a encarnação do outro. Aí se encaixam as missões. Tudo que você faz é missão e aquilo que recebe é prova, estando embutida uma expiação. Não existe a possibilidade de você ajudar uma pessoa, dentro daquilo que vocês imaginam ser uma ajuda. Se isso fosse possível, estariam interferindo na encarnação do outro e tirando a oportunidade de elevação. Elevação só vem pelo cumprimento de provas. O máximo que você pode fazer é ajudar a pessoa a "se ajudar" através da transformação de sentimentos. Mudando o "sentir", muda o mundo, a pessoa já não é a mesma. O máximo que conseguirá fazer é colaborar para que morra o velho (subordinado a matéria) e nasça o novo (espiritualizando os acontecimentos). Não existe ser humanizado ou espírito que consiga mudar a vida material de alguém, se isso não estiver na programação de provas e expiações. Tudo que precisar acontecer, acontecerá. Nada dará dinheiro, saúde, felicidade, se isso não estiver na programação. Ninguém trará sofrimento, miséria, doença, se isso não estiver na programação. Se vocês conseguissem mudar a vida de alguém, seriam Deus. Vocês (espíritos), são uma potência do universo, mas subordinados a Deus. Lembrem o alerta de Cristo a Pilatos no momento de sua condenação:  "Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado". 

Tudo vem de Deus. Tudo é Deus em ação. Tudo é Deus.

*Nego.

Aldo Pereira

Não existe resgate de encarnações passadas?

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Tem, para o espírito, não para você. Você, o humano, se for, é o resgate do espírito: você não pode resgatar nada, porque não tem nada a resgatar. Deixe-me dar um exemplo para ficar claro. Digamos que um espírito vivenciou a atividade de um ego matar outro. Estou falando dentro da criação ilusória, já que ninguém morre. Se essa ação tiver que ser novamente prova para o espírito e você, o humano tiver que morrer, não estará resgatando nada: será o resgate.

Tudo que lhe acontece é para o espírito e não para você. Portanto, você não tem que resgatar nada.

É igual ao que já me falaram: eu tenho provas. Não, você, o humano, não tem provas: você é a prova do espírito. Da mesma forma, o ser humano não tem missões: ele é a missão do espírito.

Você, humano, é, não tem.

Espiritualismo ecumênico universal