Gileno de Sá Cardoso

A ETERNIDADE ESTÁ AQUÍ E AGORA

Por Gileno de Sá Cardoso há 3 meses

     Tudo que acontece a cada fração de segundo no agora, é fruto de toda vivência passada de um espírito. 

     Essa dedução se baseia no fato de que as nossas provas se sustentam em barreiras do passado onde não conseguimos amá-las.

     O gênero de provas que o ser espiritual vai ter que se submeter vai depender da sua bagagem de amor trazida das suas experiências humanas vivenciadas antes.

     Junte-se a isso a constatação de que quando chegamos a esse mundo, só trazemos no coração o amor universal.

     Somente a partir dos sete anos de idade é que desaprendemos a amar a vida como ela é.

     Isso ocorre porque o ego começa a se manifestar sob forma de contrariedade por causa do querer individual diante do que a vida tem para lhe oferecer.

     Com o surgimento do ego, começa a afluir uma avalanche de outros sentimentos, tentando ocupar o lugar deixado pelo amor universal.

     Em contrapartida, nesse mesmo momento já está se delineando o futuro próximo desse ser espiritual.

     O futuro vai depender da capacidade de amar desse espírito ao que está acontecendo.

    Digo futuro próximo, porque a cada segundo estamos mudando a nossa trajetória baseada no amor.

    A depender da capacidade de amar a vida, o que somos agora já não seremos mais amanhã ou depois.

    É nesse momento que se verifica a transição do nada para o tudo e do tudo para o nada.

     Em ambas as transições, é necessário que o espírito se exteriorize através da consciência e perceba se está ou não amando a vida como ela é.

    Diante dessa evidência, pode-se deduzir que toda a eternidade de um ser está ocorrendo em cada agora.

     Pelo exposto acima, podemos afirmar que cada agora funciona como uma nova experienciação humana do ser espiritual.

    Cada agora representa uma nova oportunidade na carne de alcançar a reforma íntima para cada prova.

     Pelo mesmo raciocínio, pode-se deduzir que, uma vez alcançada a reforma íntima, é como se o "quem" não estivesse mais nesse mundo. 

     Bom que se entenda que isso só vale para aquele agora relativo àquela prova específica daquele momento.

      É como se a ressureição já houvesse ocorrido ainda na carne, mas só para aquela prova específica.

    Essa afirmativa se baseia no fato de que o ser se torna Uno ainda que esteja na carne, pois já reaprendeu a amar e alcançou a comunhão com Deus, diante daquela prova específica.  

     Mas porque somos sempre uma metamorfose ambulante? 

     Porque somos seres espirituais vivenciando uma experiência humana, após a vivência das experiências mineral, vegetal e animal.

     O ser espiritual se encontra apenas na metade do caminho da sua experiência humana.

     Mais especificamente, entre a terceira densidade isolada e a terceira densidade unificada.

      O que acontece em cada reencarnação é a experiência cada vez maior de frações de segundo no agora, ou seja, na vida espiritual.

    Essas vivências espirituais na carne funcionam como um treinamento para se tornar apto à ascenção do ser espiritual.

    Isso só vai se tornar possível quando o ser espiritual humanizado conseguir ser o agora em todas as provas. 

     Cada vez mais a densidade do ser espiritual vai diminuindo pelo tempo cada vez maior de permanência sendo o agora.

     Somente na sétima densidade o ser escapa do merecimento e aguarda a sua ascenção.

      

     

Gileno de Sá Cardoso

DEFINIR DEUS? COMO?

Por Gileno de Sá Cardoso há 3 meses

                   Deus é a essência do agora. Bem Aventurança sempre, independente do que aconteça. Mas quem somos nós pra qualificar Deus? Ele é tudo. Por mais que nos esforcemos, não conseguimos alcançar a sua Magnitude. Ele é tão grandioso que não conseguimos associá-Lo a nenhum símbolo ou imagem,  facilitar a sua representação, imagina definí-Lo. É muita pretensão.

            Só entramos em contato com o Todo quando somos o Agora. Como podemos representar Aquele que não tem forma? Como podemos definir Aquele a Quem nos atribuiu a missão de não se apegar a nenhum conceito substituindo-os pelo amor universal. Então Deus é Amor e Este nos traz uma sensação de Bem Aventurança ou Felicidade Eterna.

             Já percebeu que no Agora, que ocorre em uma fração de hum segundo, o Nada passa a ser o Tudo e o Tudo passa a ser o Nada? Isso é a presença não conceitual de Deus.

           As passagens do mundo Uno para a consciência, ou seja, do Nada para o Tudo e o retorno da consciência para o mundo Uno, ou seja, do Tudo para o Nada, requerem ambas que o Espírito seja exteriorizado através do contato com a consciência.

               Deus é Tudo Isso e se fosse possível definí-Lo, eu diria que Deus é a Consciência do Uno.