Aldo Pereira

“Ama teu irmão como tua alma”

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Para poder amar ao próximo é necessário que ame a si mesmo. Para amar a si mesmo é necessário ver a igualdade plena em todas as coisas. Esta igualdade não permitirá que o espírito se sobreponha em momento algum.

Esta forma de proceder, porém, não pode levar à submissão. O espírito deve dar a cada um o direito de “achar” o que quiser, mas não pode fazer do “achar” de cada um o seu próprio. Deve doar a razão a estes, mas não compartilhá-la. O não achar deve permanecer sempre. Quando um espírito estiver frente a outro que ainda imagina-se capaz de “achar” alguma coisa, deve entender esta forma de proceder e deixá-lo imaginando-se certo, mas não pode absorver esta convicção como sua para não se indispor com ele. Isto é não ter conceitos: a única forma de se alcançar o amor universal. Não ter conceitos não pode passar pela formação de um novo conceito: “ninguém deve ter conceitos”. O espírito que tem o amor universal aceita que todos ajam da maneira que acham “certo”, sem buscar corrigi-los. Isto é amar aos outros como a si mesmo: respeitar qualquer posição contrária, mesmo que esta não esteja de acordo com as leis de Deus. O espírito que invoca o conhecimento das leis de Deus para obrigar outros a agir como ele “acha”, está incorrendo no mesmo erro que está querendo evitar. Aquele que se diz conhecedor de verdades superiores às dos outros, está utilizando um sentimento de superioridade, que extingue o amor. Portanto, amar os outros não é corrigi-los, mas aceitá-los como são.

Espiritualismo ecumênico universal